Atividade económica estabiliza em nível máximo de 16 anos

  • Margarida Peixoto
  • 20 Novembro 2017

O indicador de atividade económica estabilizou em setembro nos 3,1%. Este é o valor mais elevado desde maio de 2001, mostram os dados do INE. Consumo acelerou, investimento abrandou.

O indicador de atividade económica estabilizou em setembro, pelo quarto mês consecutivo, no valor mais elevado desde maio de 2001, revelou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). O dado foi ao encontro da evolução já indiciada pelo indicador de clima económico, que também tem estado estável.

De acordo com o organismo de estatística, o indicador de atividade económica manteve-se em 3,1%, assumindo a média móvel de três meses. Tal como já tinha sido revelado a 30 de outubro, também o indicador de clima económico, que apresenta uma avaliação qualitativa em vez de quantitativa mas para o qual já há dados até outubro, está estável em 2,1% desde agosto.

Atividade económica estabiliza em nível máximo desde 2001

Médias móveis de três meses (%) Fonte: INE

Segundo o INE, o indicador quantitativo do consumo privado acelerou em setembro, refletindo um contributo mais expressivo das compras de bens duradouros. Já o investimento abrandou, à semelhança do que se verificou já nos três meses anteriores. Em setembro, este abrandamento justificou-se sobretudo pelo comportamento da componente de máquinas e equipamentos.

Os dados do terceiro trimestre do PIB mostraram a economia a crescer 2,5% face ao mesmo período de 2016 (menos do que os 3% do segundo trimestre), e a acelerar 0,5% face ao trimestre imediatamente anterior. Embora os dados resultem apenas da primeira estimativa rápida, o INE adiantou que o consumo deu um contributo maior para o crescimento.

Já na área do euro, tanto o indicador de confiança dos consumidores, como o indicador de sentimento económico aumentaram. Os preços das matérias-primas e do petróleo aumentaram, mas menos do que o verificado no mês anterior: 0,5% e 3,8%, respetivamente, contra 1,7% e 7,6% registados em setembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atividade económica estabiliza em nível máximo de 16 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião