Atividade económica estabiliza em nível máximo de 16 anos

  • Margarida Peixoto
  • 20 Novembro 2017

O indicador de atividade económica estabilizou em setembro nos 3,1%. Este é o valor mais elevado desde maio de 2001, mostram os dados do INE. Consumo acelerou, investimento abrandou.

O indicador de atividade económica estabilizou em setembro, pelo quarto mês consecutivo, no valor mais elevado desde maio de 2001, revelou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). O dado foi ao encontro da evolução já indiciada pelo indicador de clima económico, que também tem estado estável.

De acordo com o organismo de estatística, o indicador de atividade económica manteve-se em 3,1%, assumindo a média móvel de três meses. Tal como já tinha sido revelado a 30 de outubro, também o indicador de clima económico, que apresenta uma avaliação qualitativa em vez de quantitativa mas para o qual já há dados até outubro, está estável em 2,1% desde agosto.

Atividade económica estabiliza em nível máximo desde 2001

Médias móveis de três meses (%) Fonte: INE

Segundo o INE, o indicador quantitativo do consumo privado acelerou em setembro, refletindo um contributo mais expressivo das compras de bens duradouros. Já o investimento abrandou, à semelhança do que se verificou já nos três meses anteriores. Em setembro, este abrandamento justificou-se sobretudo pelo comportamento da componente de máquinas e equipamentos.

Os dados do terceiro trimestre do PIB mostraram a economia a crescer 2,5% face ao mesmo período de 2016 (menos do que os 3% do segundo trimestre), e a acelerar 0,5% face ao trimestre imediatamente anterior. Embora os dados resultem apenas da primeira estimativa rápida, o INE adiantou que o consumo deu um contributo maior para o crescimento.

Já na área do euro, tanto o indicador de confiança dos consumidores, como o indicador de sentimento económico aumentaram. Os preços das matérias-primas e do petróleo aumentaram, mas menos do que o verificado no mês anterior: 0,5% e 3,8%, respetivamente, contra 1,7% e 7,6% registados em setembro.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atividade económica estabiliza em nível máximo de 16 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião