Salário deste mês é o último a pagar sobretaxa

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 21 Novembro 2017

Retenção da sobretaxa, que ainda se aplica a salários mais altos, desaparece no próximo mês. Mas em 2018 pode haver lugar a acertos.

A sobretaxa de IRS, que ainda se aplica a salários e pensões de valor mais elevado, é paga este mês pela última vez. Em dezembro, a retenção da sobretaxa, que já tinha caído em julho para o terceiro escalão, desaparece também no caso de rendimentos mais altos. Poderá, no entanto, haver lugar a acertos quando for entregue a declaração de rendimentos em 2018.

Em causa estão remunerações ou pensões (excluindo pensões de alimentos) acima de 3.094 euros, no caso de contribuintes solteiros ou casados, dois titulares. Para sujeitos passivos casados em que só um dos elementos tem rendimentos, são abrangidas remunerações ou pensões superiores a 6.361 euros. Rendimentos mais baixos já não pagavam sobretaxa.

As taxas que ainda se aplicam este mês variam entre 3% e 3,5%:

  • Sobretaxa de 3%: salários ou pensões entre 3.094 e 5.862 euros, no caso de contribuintes solteiros ou casados, dois titulares, ou entre 6.361 e 10.416 euros no caso de contribuintes casados, um titular.
  • Sobretaxa de 3,5%: salários ou pensões acima de 5.862 euros, no caso de contribuintes solteiros ou casados, dois titulares, ou acima de 10.416 euros no caso de contribuintes casados, um titular.

A sobretaxa aplica-se ao valor do rendimento bruto, depois de deduzida a retenção na fonte, os descontos para a Segurança Social e o valor do salário mínimo nacional (557 euros). Em termos anuais, isto implica uma taxa de 2,75% para rendimentos coletáveis (e não brutos) entre 40.522 até 80.640 euros e de 3,21% para valores superiores.

Simulação

Com o fim da retenção da sobretaxa, o rendimento disponível dos contribuintes afetados vai aumentar. Um contribuinte solteiro, sem dependentes, e com um salário bruto de 5.000 euros mensais ganha, até novembro, 2.709 euros líquidos. Mas em dezembro, recebe 2.775 euros — com o fim da retenção da sobretaxa, recupera 66 euros, mostra a simulação da EY.

Anabela Silva, da EY, nota, no entanto, que os contribuintes que deixaram de suportar o pagamento da sobretaxa ao longo do ano podem vir a ter de acertar contas em 2018, quando entregarem a declaração de rendimentos referente a este ano.

A história da sobretaxa

A sobretaxa foi criada em 2011, estava Portugal sob o programa de ajuda externa. Na altura, estava em causa um tributo extraordinário de 3,5% do rendimento anual, que implicou a retenção de metade do subsídio de Natal líquido e acima do valor do salário mínimo (então de 485 euros). A figura acabou por ser reeditada depois em 2013, com a retenção mensal de 3,5% do rendimento líquido e acima do salário mínimo.

Em 2015, ano de legislativas, chegou a estar na mesa a possibilidade de devolução de parte da sobretaxa no ano seguinte, consoante a evolução das receitas de IVA e IRS. As Finanças divulgaram mesmo projeções sobre a devolução que seria feita, mas o cenário não se concretizou. Os dados finais de 2015 acabaram por confirmar que a receita de IVA e IRS ficaram aquém da meta definida e, portanto, não houve qualquer restituição.

Em 2016, passaram a ser aplicadas taxas diferenciadas (entre 1% e 3,5%) sobre rendimentos acima de 7.070 euros anuais, o que implicou retenções mensais em salários e pensões a partir de 801 euros. A mesma lei veio definir que a sobretaxa deixaria de incidir sobre rendimentos ganhos a partir de 1 de janeiro de 2017, mas isso não aconteceu. A retenção na fonte continuou a abranger contribuintes a partir do terceiro escalão e deixou de ser aplicada em dois momentos distintos ano. Em julho, caiu para o terceiro escalão, em dezembro desaparece para os escalões seguintes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salário deste mês é o último a pagar sobretaxa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião