Data centers na Suíça marcam arranque das vendas da Altice

  • Rita Atalaia
  • 1 Dezembro 2017

A empresa liderada por Patrick Drahi arrancou o processo de reestruturação do grupo com a venda de data centers na Suíça. Vai encaixar mais de 200 milhões de dólares.

A empresa liderada por Patrick Drahi arrancou o processo de reestruturação do grupo com a venda de data centers na Suíça. A Altice está a vender estes ativos por mais de 200 milhões de dólares, numa operação que deve estar concluída no início do próximo ano. Esta é a tentativa de a empresa sinalizar aos investidores que quer abater a dívida de 50 mil milhões de euros.

As unidades de data centers e telecomunicações estão a ser vendidas por 218 milhões de dólares, avança a Bloomberg, citando um comunicado da Altice. Esta alienação, que está a ser feita com o apoio da InfraVia Capital Partners, tem como objetivo aliviar os receios dos investidores em torno da elevada dívida da empresa.

A Green.ch, uma das unidades vendidas, fornece ligações à internet a clientes particulares e empresariais, assim como serviços de multimédia e cloud. Já a Green
Datacenter, outra das unidades de que a Altice se está a libertar, oferece serviços para pequenas e médias empresas na Suíça. A Altice quer ainda alienar torres de telecomunicações.

A Altice está focada em abater os 50 mil milhões de euros de dívida que acumula. Neste sentido, a empresa franco-israelita decretou o fim das aquisições e admitiu vender alguns ativos na Europa, sobretudo aqueles que mais fujam ao core das operações. Numa conferência com analistas, o administrador financeiro do grupo, Dennis Okhuijsen, afirmou que a empresa vai “voltar ao básico e cortar na despesa”. Entre as hipóteses faladas esteve a venda de torres, por exemplo.

O cerco apertou-se para a Altice no início de novembro, levando a uma forte queda das ações em bolsa. Os resultados relativos ao terceiro trimestre — que Dennis Okhuijsen admitiu serem “muito maus” — levantaram dúvidas quanto à capacidade do grupo de pagar a dívida. O grupo emitiu um profit warning em que admite que os resultados do ano de 2017 deverão ficar no “limite mínimo” das suas previsões.

(Notícia atualizada às 10h26 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Data centers na Suíça marcam arranque das vendas da Altice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião