Manuel Machado recandidata-se à liderança da Associação de Municípios

  • Lusa
  • 4 Dezembro 2017

A recandidatura do presidente da Câmara de Coimbra à liderança da Associação Nacional de Municípios Portugueses será votada no próximo congresso da Associação, que se realiza no sábado, em Portimão.

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), o socialista Manuel Machado, vai recandidatar-se ao cargo para que a Associação continue a dignificar o poder local e os autarcas, disse o próprio à agência Lusa.

A recandidatura do presidente da Câmara de Coimbra à liderança da ANMP, para a qual foi eleito há quatro anos, na sequência das eleições locais de 2013 (os mandatos acompanham, em regra, os ciclos autárquicos), será votada no próximo congresso da Associação, que se realiza no sábado, em Portimão.

Mantendo o princípio que tem sido seguido pelos autarcas, a presidência do órgão executivo da ANMP (Conselho Diretivo) é desempenhada por um presidente de Câmara do partido mais votado nas eleições autárquicas correspondentes a esse mandato, indicando o segundo e terceiro partidos mais votados os candidatos à liderança dos conselhos Geral (órgão máximo entre congressos) e Fiscal, respetivamente.

“A minha candidatura resulta de um impulso que teve vários estímulos e porque sinto que posso dar um contributo para reforçar a ANMP como casa comum do poder local democrático”, afirma Manuel Machado à Lusa, rejeitando a ideia de que a recandidatura seja “correia de transmissão de qualquer interesse, por mais legítimo que este seja”.

A minha candidatura resulta de um impulso que teve vários estímulos e porque sinto que posso dar um contributo para reforçar a ANMP como casa comum do poder local democrático.

Manuel Machado

Presidente da ANMP

À Associação compete impulsionar o poder local democrático e o desenvolvimento harmonioso do país através da cooperação entre as autarquias, “no respeito mútuo e na interação construtiva”, e, “ao mesmo tempo, garantir a cooperação [destas] com os órgãos de soberania, com base no princípio da lealdade negocial”, sustenta.

“Nestes quatro anos foi assim”, assegura Manuel Machado, considerando que no mandato que agora está a terminar, foi demonstrado que “é possível fazer deste modo, mesmo nos períodos de tensão máxima”, como com a criação do Fundo de Apoio Municipal e quando vigoraram “as políticas, as regras que a ‘troika’ impôs”.

A ANMP conseguiu tomar posições e “emitir pareceres sobre projetos e diplomas (infelizmente nem todos respeitados)” reconhecidos como “credíveis e válidos”, que “resultaram sempre de um intenso debate interno” e, “mesmo perante contrariedades muito grandes”, conseguiu “chegar a pontos de consenso”, sublinha.

“Esse trabalho deve continuar” e a Associação “deve continuar a dignificar o poder local” e os seus agentes, “os autarcas em geral, sejam das câmaras, sejam das assembleias municipais ou das freguesias”, sustenta.

Manuel Machado promete “continuar a respeitar a mensagem da ANMP (também pela sua qualidade)”, que “é focada nas pessoas indistintamente e nos interesses próprios comuns, nos interesses legítimos das comunidades locais”.

Importa “manter” e “vincar” a demonstração de que “o municipalismo, o poder autárquico é um poder que tem responsabilidades muito especiais e capacidade de agir e de interagir, para benefício da comunidade em geral e das comunidades locais, e que é merecedor de melhor partilha, de uma partilha mais justa dos recursos públicos”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Manuel Machado recandidata-se à liderança da Associação de Municípios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião