Portugal não vai devolver verbas a Bruxelas este ano

  • ECO
  • 6 Dezembro 2017

O secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson Souza, avança que já foram formalizados 2.668 milhões de euros, um valor que coloca Portugal entre os primeiros a nível comunitário.

Está cumprido. Não teremos de devolver um único cêntimo”. A garantia é dada pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, ao DN/Dinheiro Vivo. Está assim posto de parte do risco de Portugal não conseguir cumprir a regra da guilhotina.

De acordo com as regras europeias, os países têm de gastar o correspondente ao orçamento de cada ano nos três anos seguintes. Se não o fizerem, o montante remanescente tem de ser devolvido a Bruxelas. Esta determinação é referente ao atual quadro comunitário de apoio — o Portugal 2020 — porque durante o QREN os Estados-membros eram obrigados a executar as verbas dois anos anos depois.

Ou seja, em cada programa operacional é necessário dividir a dotação por sete (correspondente ao número de anos do quadro) e é esse o valor que é necessário executar três anos depois. É a chamada regra do N+3, ou da guilhotina. Portugal nunca teve de devolver dinheiro a Bruxelas a não ser ao nível das pescas e da agricultura.

Em setembro foram acionadas as campainhas de alarme, porque Portugal ainda não tinha executado todas as verbas necessárias — 1,71 mil milhões de euros. Na altura faltavam executar 132 milhões. Mas agora, o secretário de Estado Nelson Souza avança que já foram formalizados 2.668 milhões de euros, um valor que coloca Portugal entre os primeiros a nível comunitário. “A obtenção deste resultado um mês antes do limite de 31 de dezembro dificilmente terá sido conseguido noutros países”, disse o responsável em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

A obtenção deste resultado um mês antes do limite de 31 de dezembro dificilmente terá sido conseguido noutros países.

Nelson Souza

Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão

De acordo com os dados avançados pelo jornal, a 17 de novembro, os onze programas em que o Portugal 2020 se divide estavam já acima da meta. O PO Açores lidera, estando 406% acima do que Bruxelas exigia para o fecho do ano, seguido do Programa Operacional Capital Humano (+352%) e do PO Madeira (+312%). Os desempenhos mais fracos, mas ainda assim com a regra cumprida estão os programas do Alentejo e Lisboa (+11% e +17%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal não vai devolver verbas a Bruxelas este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião