BEI financia 1,9 mil milhões de euros de projetos portugueses no Plano Juncker

Até novembro já foram aprovados financiamentos no valor de 1,9 mil milhões de euros, referentes a 27 operações, que, no total, deverão alavancar um investimento de 5,5 mil milhões dos privados.

O Banco Europeu de Investimento vai financiar 1,9 mil milhões de euros em projetos portugueses ao abrigo do Plano Juncker, o que coloca Portugal entre os principais beneficiários deste instrumento que visa fomentar o crescimento na Europa.

De acordo com os últimos valores divulgados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) — a instituição que financia o Plano Juncker com garantias do orçamento comunitário — até novembro já foram aprovados financiamentos no valor de 1,9 mil milhões de euros, referentes a 27 operações, que, no total, deverão alavancar um investimento de 5,5 mil milhões de euros dos privados.

Até ao final do ano, a expectativa da equipa do BEI em Lisboa é conseguir assinar operações de financiamento no valor de 200 milhões de euros. Ou seja, dos 1,9 mil milhões de operações aprovadas, 200 milhões passem para a fase seguinte que permitirá a chegada efetivado dinheiro à economia real.

A nível europeu, Portugal é apontado como um caso de sucesso na implementação do Plano Juncker, não só em termos absolutos — está em sétimo ou oitavo lugar — mas também em termos relativos. Apenas em Portugal, o BEI financia diretamente um município (a Câmara Municipal de Lisboa) ou um projeto tão pequeno, como o campus da Nova School of Business em Carcavelos (16 milhões de euros) — normalmente o BEI só financia diretamente projetos superiores a 50 milhões de euros.

Com “dezenas de projetos a serem analisados”, a equipa do BEI em Lisboa espera, no próximo ano, acrescentar mais mil milhões de euros em aprovações no âmbito do Plano Juncker.

Mas a atividade do BEI, enquanto tal, em Portugal também está a evoluir a passos largos. A expectativa é de o volume de projetos assinados com o banco, em Portugal, seja idêntico ao do ano passado, em torno dos 1,5 mil milhões de euros. Nos próximos dias deverá ser fechada a assinatura de mais um projeto — o Alqueva — que ajudará a atingir esta meta. O Governo pretende aumentar em 50 mil hectares o regadio do Alqueva através de um empréstimo de 260 milhões de euros. Na sua intervenção inicial na discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2018, no Parlamento, a 14 de novembro, o ministro da Agricultura disse que este mês ainda será oficializado este empréstimo. “Depois de muitos meses, mais de um ano, de negociação com o BEI vai ainda este mês concretizar-se a assinatura do empréstimo de 260 milhões de euros”, anunciou Luís Capoulas Santos. O empréstimo “ainda deixará uma folga financeira de outros cinquenta milhões, para além do PDR [Programa de Desenvolvimento Rural], a investir noutras áreas do país”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BEI financia 1,9 mil milhões de euros de projetos portugueses no Plano Juncker

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião