Science4you recebe dez milhões de euros do BEI

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 6 Novembro 2017

Acordo foi assinado esta segunda-feira em Lisboa. Comissário Carlos Moedas frisa que o projeto vai criar mais de 300 empregos em Portugal.

A portuguesa Science4you, empresa de brinquedos educativos, vai receber 10 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento (BEI). O acordo foi assinado esta segunda-feira mas não é o único. O BEI também acordou hoje novos projetos na França e na Roménia que, no total, atingem 100 milhões de euros.

Durante a assinatura do acordo com a a Science4you, em Lisboa, o comissário para as áreas de Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, mostrou-se satisfeito com a utilização do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos por parte das empresas portuguesas. “O acordo assinado hoje com a Science4you mostra o impacto positivo que o Plano Juncker está a ter em pequenas e médias empresas na Europa”, adiantou.

Moedas salientou que o projeto vai criar mais de 300 empregos em Portugal no curto prazo. Já no longo prazo, “ao investir na educação das nossas crianças em temas relacionados com a ciência, tecnologia, engenharia e matemática, estamos a desenvolver a próxima geração de cientistas e inovadores”, acrescentou.

O ECO já tinha noticiado que a Science4you estava a tentar obter um financiamento de dez milhões de euros junto do BEI para potenciar o crescimento, alavancar a internacionalização e apostar no comércio eletrónico.

Além dos 10 milhões de euros assinados com esta empresa portuguesa, o BEI, através do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos, também vai atribuir 43 milhões de euros para a Artee, em França, com o intuito de tornar dois mil edifícios mais eficientes em termos energéticos. Na Roménia, o acordo com a UniCredit vai disponibilizar 50 milhões de euros adicionais para pequenas e médias empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Science4you recebe dez milhões de euros do BEI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião