Retirar fundos aos instrumentos financeiros é “dececionante”

A combinação entre fundos estruturais e instrumentos financeiros é uma forma de alavancar mais projetos. O diretor executivo do Plano Juncker critica quem está a fazer o contrário.

Retirar fundos do Portugal 2020 que estão alocados aos instrumentos financeiros é “dececionante”. A avaliação é feita por Wilhelm Molterer, diretor executivo do Fundo Europeu para os Investimentos Estratégicos (FEIE), mais conhecido por Plano Juncker.

Questionado pelo ECO sobre a opção do Executivo português de atribuir a outras áreas parte dos fundos inicialmente alocados aos instrumentos financeiros — como por exemplo parte dos 1,7 mil milhões de euros dedicados à Instituição Financeira de Desenvolvimento — Wilhelm Molterer foi claro em explicar que o Executivo está a agir dentro das regras, mas a combinação entre fundos estruturais e instrumentos financeiros é uma forma de alavancar mais projetos, que no próximo quadro financeiro vai ganhar relevância.

Wilhelm Molterer, diretor executivo do Fundo Europeu para os Investimentos Estratégicos defende que combinar fundos estruturais e instrumentos financeiros é um “exercício saudável”.Mireia Gonzalez Torrijos/EIB

Com o Portugal 2020 a chegar a meio, as autoridades portuguesas estão a levar a cabo um exercício de reprogramação que passa por retirar dinheiro dos programas e áreas com menor execução e atribuí-lo a outras com um uso mais intensivo das verbas ou que são consideradas prioridades nacionais. É o caso das empresas ou da educação.

Mas não são as únicas. Outros países europeus beneficiários dos fundos estruturais estão a fazer o mesmo exercício de reprogramação. “A prioridade chave no período atual é a absorção. Ponto final. Se um país considerar que é mais fácil absorver os fundos estruturais através de uma utilização clássica, então, para mim, é totalmente compreensível que o país vá nessa direção”, explicou ao ECO Wilhelm Molterer.

O responsável considera, contudo, que “o atual período” de programação de ser “de aprendizagem, porque no próximo quadro financeiro plurianual “os instrumentos financeiros vão desempenhar um papel mais importante”. “Isso significa ter alguns dos projetos que combinem fundos estruturais e instrumentos financeiros, para tentar aumentar a experiência e obter a devida curva de aprendizagem. O diretor executivo do FEIE admite que seja mais fácil usar os fundos com base na presente experiência e enquadramento legal. “Mas saltar totalmente a mistura não é a abordagem certa para o próximo quadro financeiro plurianual”, alerta, ainda que a “decisão seja de cada Estado-membro”. “Não me cabe a mim decidir”, frisa.

Wilhelm Molterer revela que o tema foi discutido ao nível dos Estados-membros na “revisão intercalar do presente período de programação financeira”, mas “do ponto de vista formal, os Estados seguem a linha do que está decido no âmbito dos programas operacionais acordados. Legalmente é claro como a água”.

Mas isso não significa que, à luz do Banco Europeu de Investimento, a combinação entre instrumentos financeiros e fundos estruturais é uma alternativa viável para “libertar dinheiro” para “conceder garantias”. Os Estados membros não seguirem essa estratégia “é um bocadinho dececionante”. “Mas é a realidade”, admite.

"Tenho a sensação de que relutância surge porque alguns Estados membros têm medo de, com os instrumentos financeiros, não serem eles que, em última análise, decidem.”

Wilhelm Molterer

Diretor executivo do FEIE

“Tenho a sensação de que relutância surge porque alguns Estados membros têm medo de, com os instrumentos financeiros, não serem eles que, em última análise, decidem”, sublinha Wilhelm Molterer. E justifica: “Uma garantia é diferente” dos fundos comunitários. O empréstimo tem de ser ressarcido. “Não é o mesmo, mas é um exercício saudável”, conclui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Retirar fundos aos instrumentos financeiros é “dececionante”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião