Presidente dos EUA vai reconhecer Jerusalém como capital de Israel

  • Lusa e ECO
  • 6 Dezembro 2017

Os Estados Unidos vão transformar-se assim no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Decisão já está a gerar reações.

O Presidente dos Estados Unidos vai reconhecer esta quarta-feira Jerusalém como capital de Israel, para onde vai transferir a embaixada, atualmente em Telavive, disseram responsáveis da Administração norte-americana, citados pelas agências noticiosas internacionais. Esta decisão está a gerar polémica e alguns países já deixaram avisos aos seus cidadãos.

A Casa Branca tinha indicado que Donald Trump vai anunciar hoje, num discurso marcado para as 13h00 (18h00 em Lisboa), a decisão de considerar Jerusalém como a capital de Israel e de transferir a embaixada norte americana, atualmente localizada em Telavive.

“O Presidente Trump vai reconhecer Jerusalém como a capital de Israel”, indicou um responsável da Administração norte-americana, que pediu o anonimato, e avançar para o “reconhecimento de uma realidade” tanto histórica – Jerusalém figura como capital do Estado judeu desde a Antiguidade – como contemporânea – porque tem sido a sede do Governo israelita desde a fundação moderna daquele Estado em 1948 -, em vez de uma declaração política.

Os Estados Unidos vão transformar-se assim no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

De acordo com responsáveis norte-americanos, citados pelas agências noticiosas AP, AFP e Efe, Donald Trump vai, de seguida, ordenar ao Departamento de Estado que inicie a transferência da embaixada, de Telavive para Jerusalém, um processo que deve demorar anos. “Há cerca de mil pessoas a trabalhar na embaixada em Telavive, e não temos um espaço que possa acolhê-los em Jerusalém. Levará tempo a encontrar um lugar, a garantir que é seguro, a projetar uma nova embaixada e a construi-la”, afirmou um alto funcionário.

Hoje em dia não se pode construir uma embaixada em nenhum lugar do mundo em menos de três ou quatro anos. Esse será também o caso” em Jerusalém, complementou outra fonte.

A comunidade internacional nunca reconheceu Jerusalém como capital de Israel, nem a anexação da parte oriental conquistada em 1967. Israel considera a Cidade Santa a sua capital “eterna e reunificada”, mas os palestinianos defendem pelo contrário que Jerusalém-leste deve ser a capital do Estado palestiniano ao qual aspiram, num dos principais diferendos que opõem as duas partes em conflito.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

Uma lei norte-americana de 1995 solicitava a Washington a mudança da embaixada para Jerusalém, mas essa medida nunca foi aplicada, porque os Presidentes Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama adiaram sua implementação, a cada seis meses, com base em “interesses nacionais”.

Dado o tempo que deve levar a transferência da embaixada para Jerusalém, Trump deve assinar, na mesma ocasião, uma ordem para prorrogar a aplicação dessa lei.

“Decisão contraproducente” diz o Governo português e Marcelo

“Portugal em especial já manifestou, a nível do Governo, a sua preocupação por gestos que possam ser considerados contraproducentes para o clima de diálogo, entendimento e de paz numa área sensível do globo“, declarou o Presidente da República às televisões.

Augusto Santos Silva já havia afirmado, em entrevista à TSF, que a decisão de Trump é “contraproducente” e “prematura”. O ministro dos Negócios Estrangeiros entende que esta posição pode provocar instabilidade no Médio Oriente e, por isso, devia ser evitada. Santos Silva garantiu ainda que Portugal vai manter a representação diplomática em Telavive.

Decisão gera outras reações

O Papa Francisco também já disse que “reconhecer os direitos de todas as pessoas” na Terra Santa é condição prévia para o diálogo, citado pela Reuters. A afirmação foi feita perante um grupo de palestinianos envolvidos no diálogo inter-religioso com o Vaticano. “A Terra Santa é para nós cristãos a terra por excelência do diálogo entre Deus e a humanidade”, disse. O Papa falou esta terça-feira com o presidente palestiniano Mahmoud Abbas sobre a crise.

Alemanha e França, por seu turno, mostraram preocupação com uma eventual escalada da violência no Médio Oriente. O ministério dos Negócios Estrangeiros francês avisou, no seu site, que os franceses devem evitar este tipo de demonstrações e afastar-se de multidões em Jerusalém oriental, Cisjordânia e Gaza, indica ainda a Reuters.

O ministério alemão atualizou os avisos aos viajantes para Israel e territórios palestinianos, alertando para a possibilidade de conflitos violentos.

(notícia atualizada às 9:489 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente dos EUA vai reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião