Banco de Portugal aposta no imobiliário

  • ECO
  • 7 Dezembro 2017

Fundo de pensões do banco central comprou imóveis para reabilitação no Chiado. Um deles é o Palácio das Belas Artes, vendido por 18 milhões de euros.

Há mais de um ano e meio, o Palácio das Belas Artes, no Chiado, foi vendido por 18 milhões de euros, indicava então a consultora imobiliária JLL. Era uma das maiores transações de 2015. Quem comprou? O banco central português. Na altura, a identidade do investidor não era indicada, mas o Jornal Económico revela agora: Fundo de Pensões do Banco de Portugal – Benefício Definido (acesso pago).

E este não é o único negócio do género do banco central, que recentemente indicou que não há sinais de uma bolha imobiliária no país. O Palácio das Belas Artes, também conhecido como Palácio Iglésias, tem uma área total superior a 2.500 metros quadrados, três andares, sobrelojas, águas-furtadas, jardins interiores, terraços e um pátio, indica a certidão predial. É um dos espaços com maior potencial naquela zona de Lisboa mas houve outros negócios semelhantes na zona.

O fundo de pensões do Banco de Portugal também é proprietário de um prédio na rua Ivens (igualmente no Chiado), que obteve alvará da Câmara para obras de ampliação, já a decorrer. O projeto aponta para comércio e habitação.

De acordo com o jornal, não há nada de irregular nestas operações, já que este fundo de pensões atua como qualquer outro veículo semelhante. Aliás, a maior parte dos investimentos são financeiros de risco mais baixo, sobretudo obrigações. No final de 2016, os ativos imobiliários do fundo de pensões pesavam apenas 8,1% do total do património sob gestão, adianta ainda o jornal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal aposta no imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião