Finanças não garantem pagamento de verbas ao ensino superior

  • ECO
  • 7 Dezembro 2017

Há instituições do ensino superior a alertarem para situações de rutura financeira. O Governo comprometeu-se, em 2016, com o pagamento de verbas adicionais, mas ainda não o fez.

O Ministério das Finanças ainda não deu garantias de que irá pagar todas as verbas devidas às instituições do ensino superior, como ficou prometido no Compromisso com a Ciência e o Conhecimento, celebrado em 2016, e já há mesmo instituições a recorrerem às poupanças para fazer face às despesas. A informação é avançada, esta quinta-feira, pelo Diário de Notícias.

Estamos a trabalhar com as Finanças para tentar garantir o cumprimento dos contratos, mas não temos garantias“, disse ao mesmo jornal fonte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. O ministro Manuel Heitor ressalvou, contudo, acreditar que se “trata de um erro” a informação, noticiada esta semana, de que as Finanças propuseram repor as verbas apenas para algumas instituições com menor liquidez.

As verbas prometidas servem para cobrir despesas resultantes de medidas como a atualização do salário mínimo nacional, a revisão do subsídio de refeição e o aumento salarial dos professores que fizeram provas de agregação. Este aumento, só no caso dos institutos superiores politécnicos, representou despesas superiores a sete milhões de euros.

Em julho de 2016, quando assinou o Compromisso com a Ciência e o Conhecimento, o Governo comprometeu-se a compensar as instituições do ensino superior por estas despesas adicionais, mas, até à data, ainda não garantiu pagamentos. No passado dia 22 de novembro, algumas instituições alertaram para situações de “rutura financeira”.

Há mesmo casos em que estas instituições já estão a recorrer às poupanças para cobrir as despesas. “As Finanças lançaram um despacho em que é dito que, numas situações, essas verbas são repostas e, noutras, a indicação é que as instituições podem utilizar os saldos de anos anteriores para realizar essas despesas”, referiu ao DN Nuno Mangas, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças não garantem pagamento de verbas ao ensino superior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião