Esperas no aeroporto até três horas. Há falta de funcionários

  • ECO
  • 12 Dezembro 2017

São menos os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras a operar no aeroporto de Lisboa, o que está a afetar o normal funcionamento.

Nas últimas semanas, os tempos de espera no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, têm subido — em alguns casos, chegaram às três horas. Os atrasos devem-se à redução de inspetores do SEF, com 45 estagiários a terem sido dispensados para concluir o curso. Contudo, estão prometidos reforços para o Natal e para a passagem de ano.

Tem-se assistido a uma degradação do serviço prestado pelo SEF, conduzindo a tempos de espera nas chegadas extremamente elevados”, avança um porta-voz do aeroporto ao Diário de Notícias. Em mais de 70% dos dias deste ano, até à data, as médias de espera no controlo de fronteiras nas chegadas superaram os 45 minutos, informa a mesma fonte.

O SEF não desmente e limita-se a relembrar a crescente afluência do aeroporto, que descreve como “muito significativa”, na ordem dos 32% em comparação com 2016. Os 45 estagiários que serviam de reforço durante o verão foram retirados em outubro, mas o SEF aponta uma quebra maior. Estão ativos um total de 160 inspetores, menos 70 do que no verão.

Segundo o Sindicato da Carreira de Inspeção e Fiscalização (SCIF) “deviam estar destacados no aeroporto de Lisboa pelo menos 250 inspetores“. Contudo, para além da falta de pessoal, o sindicato sublinha a necessidade de alterações estruturais. Sugere um espaço próprio para o controlo de passaportes dos voos de origens de risco, dado que são mais demorados e a dispersão do horários dos voos de longa distância de países fora da União Europeia”.

Os inspetores do SEF têm vindo a reivindicar um aumento dos recursos humanos. A então ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, prometeu abrir um concurso para a admissão de 100 novos inspetores, que motivou a desconvocação da greve marcada para agosto. Na altura, o sindicato exigia 200.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esperas no aeroporto até três horas. Há falta de funcionários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião