Quanto mais fundos recebem os municípios, menos empresas privadas são criadas

  • Lusa
  • 13 Dezembro 2017

Quanto maior o montante de fundos a que um município tem acesso, menor é o número de empresas privadas criadas, mas também menor o número de empresas privadas que fecham nesse município.

Os fundos europeus têm contribuído para o crescimento das empresas e do emprego a nível municipal quando bem aplicados pelos municípios, revela um estudo que é apresentado esta quarta-feira.

No estudo “O impacto económico dos Fundos Europeus: a experiência dos municípios portugueses” foram analisados os montantes, a diversidade dos fundos ativados, o produto, o emprego e as empresas localizadas nos municípios para quantificar o impacto económico e social dos fundos europeus dos sucessivos quadros de apoio geridos pelos municípios de Portugal Continental.

De acordo com José Esteves, um dos autores, o estudo demonstra que “o acesso aos fundos europeus é importante” e tem efeitos “mais fortes quantitativamente ao nível das empresas do que ao nível do emprego”. “O efeito sobre a criação de empresas pode, ao longo de um quadro [comunitário] chegar aos 5% ou 6% de mais empresas, quando os fundos são bem aplicados [por determinado município]”, sublinhou.

O efeito sobre a criação de empresas pode, ao longo de um quadro [comunitário] chegar aos 5% ou 6% de mais empresas, quando os fundos são bem aplicados [por determinado município].

José Esteves

Autor do estudo

Por outro lado, nem sempre ter mais dinheiro comunitário é o mais importante. “O importante para a criação de empresas e do emprego não é aparentemente o montante dos fundos acedidos, mas o conjunto de rubricas acedidas e como é que elas estão combinadas”, disse. Como revela o estudo, “quanto maior o montante de Fundos a que um município tem acesso, menor o número de empresas privadas que são criadas e também menor o número de empresas privadas que fecham nesse município”.

Por outro lado, os municípios que concorreram a vários itens de fundos comunitários são os que veem o emprego e as empresas aumentarem em número, “talvez porque isso leva a maior complementaridade e umas rubricas reforçam as outras”, pelo que esta é uma das principais recomendações que o estudo deixa a estas autarquias.

Quanto maior o montante de Fundos a que um município tem acesso, menor o número de empresas privadas que são criadas e também menor o número de empresas privadas que fecham nesse município.

Estudo

O estudo concluiu ainda que o impacto dos fundos vai além do próprio município e tem efeito nos municípios vizinhos, o que “parece indicar que os fundos devem ser pensados para conjuntos de municípios ou para regiões”, destacou José Esteves.

Os fundos deveriam ser pensados a nível mais regional, mais entre grupos de municípios do que, isoladamente, município a município”, afirmou, sublinhando que esta conclusão se confirma mesmo tendo em conta que os efeitos dos fundos comunitários são muito diferentes consoante a diversidade geográfica das regiões onde são aplicados.

O estudo, elaborado por José Tavares, Ernesto Freitas e João Pereira dos Santos, surgiu de uma proposta feita à Fundação Francisco Manuel dos Santos no sentido de utilizar dados detalhados ao nível do município sobre o impacto do acesso aos fundos na criação e na dinâmica das empresas privadas e no emprego, “dois aspetos que não são as únicas preocupações dos municípios, mas são preocupações importantes”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto mais fundos recebem os municípios, menos empresas privadas são criadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião