Rui Rio recebe 1.500 euros mensais da Ordem dos Contabilistas para ser vice da Assembleia Geral

  • ECO
  • 14 Dezembro 2017

Rui Rio, candidato à liderança do PSD, tem um vencimento mensal da Ordem dos Contabilistas para ser vice-presidente da Assembleia Geral. É caso único, avança o Observador.

Rui Rio, candidato à presidência do PSD, tem um vencimento mensal de 1.500 euros brutos da Ordem dos Contabilistas Certificados, como vice-presidente da Assembleia Geral, revelou esta quinta-feira o Observador. O caso é único entre as Ordens e até entre as grandes empresas cotadas, diz o jornal. Por exemplo, o presidente da mesa da Assembleia Geral da Galp recebe três mil euros, mas por ano.

O jornal digital conta que nos últimos dois anos Rui Rio conduziu cinco reuniões da Ordem. Contactado, o ex-presidente da Câmara do Porto confirmou que recebe mensalmente 960 euros líquidos da Ordem desde que deixou a autarquia, bem como a compensação pela perda de pensões políticas.

Fonte oficial da candidatura de Rio lembrou que o social-democrata “exerceu este lugar a título completamente gratuito durante oito anos”, mas que passou a ter um vencimento mensal quando deixou a liderança da Câmara do Porto. “Não via razão para continuar a não receber”, disse.

Também Manuel Delgado, eurodeputado do PS, tem vencimento mensal: recebe dois mil euros brutos como presidente da Assembleia Geral. “Não é um valor elevado”, reagiu, ao Observador.

A revisão dos salários pagos pela Ordem — que atingem os 10 mil euros no caso de bastonário, embora a atual bastonária interina tenha optado por manter o salário de vice-presidente — é um dos pontos que tem animado a campanha para as eleições internas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio recebe 1.500 euros mensais da Ordem dos Contabilistas para ser vice da Assembleia Geral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião