Soares da Costa: plano de recuperação aprovado

A CGD e o BCP, os dois maiores credores da Soares da Costa votaram a favor do plano de recuperação da construtora. Plano aprovado por 79,45% do capital. Bancos espanhóis votaram contra.

O novo plano de recuperação (PER) da Soares da Costa foi aprovado pela maioria dos credores. O BCP e a CGD, dois dos maiores credores da construtora votaram a favor da viabilização da empresa. BPI, Bankinter, Popular e o angolano BIC votaram contra, sabe o ECO. Assim, o novo plano foi aprovado por 79,45% do capital, tendo votado contra 16,01%, enquanto que 7,54% do capital não votou.

Estas informações deverão ser conhecidas oficialmente na próxima segunda-feira.

A aprovação do PER, por parte dos credores, vem de encontro à expectativa do presidente da construtora. Joaquim Fitas. Fitas em declarações ao ECO , a 15 de novembro, data em que a construtora apresentou o novo plano de recuperação, mostrava-se confiante na aprovação pelos credores, incluindo a CGD, que tinha votado contra no primeiro plano apresentado.

“Estamos muito confiantes que o plano vai ter a aprovação por parte dos credores, inclusive por parte da Caixa Geral de Depósitos, o nosso maior credor, o que dará um sinal completamente diferente ao grau de aceitação por parte dos credores”, disse, na altura, o presidente da Soares da Costa.

O primeiro PER apresentado pela Soares da Costa, apesar de ter sido aprovado pelos credores, não foi homologado pelo tribunal. As reservas apresentadas pelo juíz do Comércio de Gaia incidiam sobre a diferença de tratamento que a empresa dava aos credores europeus e africanos.

Para Joaquim Fitas, o novo plano reviu esta situação. Ainda assim o presidente da Soares da Costa garantia que: “Não havia diferenciação entre credores europeus e africanos, o que havia era uma diferenciação entre moedas fortes e moedas fracas e que tinha a ver com a desvalorização cambial, mas este aspeto não foi entendido da mesma forma pelo juiz, por isso alterámos a situação e passamos a ter as moedas com o mesmo haircut e não fazemos também diferenciação entre dívida financeira e não financeira”.

Com uma dívida que ascende a 700 milhões de euros, a construtora está a pedir um perdão de dívida de 50%, o que em termos de volume corresponde a 300 milhões de euros.

A restruturação da empresa prevê ainda a saída de 700 trabalhadores, de um total de 1.700.

Já os custos totais da restruturação foram revistos em baixa, sendo agora de 36 milhões de euros versus os 45 milhões inscritos no primeiro plano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Soares da Costa: plano de recuperação aprovado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião