Negócio da Santa Casa da Misericórdia no Montepio é “pouco transparente”, acusa Assunção Cristas

  • ECO
  • 21 Dezembro 2017

A líder do CDS, na ausência de mais esclarecimentos, é "frontalmente contra" o negócio que diz ser "pouco transparente". Cristas alerta para o que estará a preparar a "grande família socialista".

Assunção Cristas critica o Governo pela entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) no capital do banco Montepio. Para a presidente do CDS este é um negócio “pouco transparente” sobre o qual o Executivo não tem feito esclarecimentos. Em entrevista ao Público (acesso condicionado), Cristas diz temer o que a “grande família socialista” possa estar a preparar neste negócio.

Cristas tem dúvidas e Costa não a esclarece — “as respostas são sempre vagas”, classifica. “O dinheiro dedicado às pessoas mais pobres ser alocado para um banco, quando a banca tem este histórico que acabámos por ver nos últimos anos?”, questiona a líder centrista, reprovando a entrada da SCML no Montepio por não ter existido um estudo. E deixa mais uma questão: “Dizem-nos que o Montepio está muito bem, que não precisa de dinheiro nenhum. Então porquê pôr lá a Santa Casa?”

A líder do CDS desconfia das relações entre o atual provedor da SCML, o Montepio e o Governo. “Isto é tudo elaborado com muita facilidade entre uns e outros”, considera, assinalando que se chegam a “soluções que não têm os reais interesses dos portugueses em primeiro lugar”. “Sem mais esclarecimentos, a nossa posição só pode ser frontalmente contra este negócio, que achamos pouco esclarecido, pouco transparente”, sintetiza a líder do CDS.

Na mesma entrevista, Assunção Cristas esclarece que não quer uma coligação pré-eleitoral com o PSD uma vez que “os momentos em que PSD e CDS estiveram separados” foram os que se registaram “melhores resultados”. E após as eleições? Aí, sim, o PSD é “o parceiro natural”. “Hoje os portugueses estão libertos do voto útil“, atira, argumentado que a atual solução governativa acabou com essa lógica.

Quanto à esquerda, Cristas antevê uma maior dificuldade do PCP e do BE em lidar com Mário Centeno, o novo presidente do Eurogrupo. “Agora vai ser mas difícil ter duas vozes, ou ter uma voz mais silenciosa“, remata.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Negócio da Santa Casa da Misericórdia no Montepio é “pouco transparente”, acusa Assunção Cristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião