O “mais grave e chocante” é a isenção do IVA para os partidos, diz Rui Rio

O candidato à liderança do PSD atacou as alterações à lei do financiamento partidário pela falta de transparência. No entanto, Rui Rio considera que o "mais grave e chocante" é a isenção total do IVA.

Os dois candidatos à liderança do PSD concordam num ponto que vai contra a decisão da direção atual do partido. O PSD — ao lado do PS, BE, PCP e PEV — aprovou várias alterações à lei do financiamento dos partidos. Tanto Rui Rio como Santana Lopes discordam da posição dos social-democratas. Para o ex-presidente da câmara do Porto, o “mais grave e chocante” é a isenção total do IVA para os partidos. Rio criticou ainda a falta de transparência do processo.

O que é verdadeiramente grave é a questão de se dizer que os partidos políticos não pagam IVA em Portugal. Esta é que é a parte mais grave e chocante“, afirmou Rui Rio, em declarações transmitidas pela RTP3, em Leiria, à margem da apresentação da moção de estratégia global da sua candidatura, que será formalizada esta quinta-feira. Rio criticou o PSD, tal como tinha feito Santana Lopes que disse não “perceber de todo a razão” o PSD se mostrou favorável a este caminho.

“Imaginemos que um partido tem um bar onde vende umas cervejas e não paga IVA por isso? O que é que isso tem a ver com a política? Não tem nada a ver”, exemplificou Rui Rio, atacando o PSD, PS, BE, PCP e PEV por terem aprovado estas alterações “a correr para ver se ninguém vê”. Para Rui Rio este debate devia ser feito “alargado” e não “de repente e às escondidas” do público. “A forma como foi feito não foi bem”, classificou.

Contudo, o candidato à liderança do PSD disse que este tipo de alterações é permeável à demagogia, mas que não iria enveredar por esse caminho. “Isto é uma matéria que se presta muito a demagogia porque dizer mal dos partidos é uma coisa muito simples que toda a gente gosta, mas eu não embarco nisso”, garantiu. Rio refere que “toda a gente gosta do discurso demagógico”, mas recusa-se a fazê-lo, dizendo que vai por aquilo que acredita.

Para além do IVA, as restantes alterações merecem a dúvida do ex-autarca. Rio considera que o não haver limite no teto da angariação de fundos “não é assim tão grave”. No entanto, defende que seria melhor haver um teto e que se pode discutir um limite mais elevado. “O que seria grave é que se mexesse no teto do que cada um pode dar (…) isso levava a que os partidos ficassem muito dependentes de dois ou três grandes doadores“, argumentou Rui Rio.

O candidato à liderança do PSD não se comprometeu com uma posição caso fosse líder, dizendo apenas que era necessário fazer um debate “a sério”. Rio não esclareceu se pediria uma fiscalização preventiva do projeto de lei ao Tribunal Constitucional — “se houver alguma matéria que possa suscitar inconstitucionalidade, com certeza, mas não sei se há”, disse — nem pediu a Marcelo para vetar o diploma — “o Presidente da República fará aquilo que entender“, rematou.

Esta quarta-feira o CDS e o PAN pediram o veto de Marcelo às alterações. Momentos depois, uma nota da Presidência da República dizia que Marcelo não podia pronunciar-se até oito dias depois de receber o diploma, mas sugeria aos partidos e ao primeiro-ministro o envio prévio para o Tribunal Constitucional.

Do lado dos partidos que aprovaram as alterações, o Bloco de Esquerda disse estar disponível “para melhorar” a lei, fazendo saber que votou a favor da lei apesar de discordar de certos pontos para evitar que, “por incapacidade de acordo”, os partidos ficassem sem fiscalização. Já o PSD, PS e PCP enviaram um comunicado conjunto a defender as alterações. O tema tem sido discutido nos últimos dias nas redes sociais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O “mais grave e chocante” é a isenção do IVA para os partidos, diz Rui Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião