O Governo português não tem poder para sabotar pernil de porco. Santos Silva responde a Nicolas Maduro

  • ECO
  • 28 Dezembro 2017

O ministro dos Negócios Estrangeiros comenta assim as acusações de Maduro, relativamente a um suposto boicote de Portugal no abastecimento de pernil de porco.

A falta de abastecimento de pernil de porco na Venezuela não é da culpa do Governo português, diz Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros. “O Governo português não tem, seguramente, esse poder de sabotar pernil de porco”, defende-se assim das acusações do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que afirma que Portugal terá sabotado a entrega do produto, que deveria ser distribuído em cabazes de Natal a seis milhões de famílias, avança a TSF esta quinta-feira.

“Nós vivemos numa economia de mercado. As exportações competem às empresas“, afirma o ministro, que vais questionar o caso junto da embaixada de Portugal na Venezuela.

Antes de acolher o embaixador no Palácio Necessidades, Santos Silva sublinha a necessidade de saber primeiramente o que se passou: “Sou um cientista profissional. Primeiro vamos apurar os factos e depois tiraremos as conclusões”, acrescenta.

Afinal, pernil chegou à Venezuela

O ministro dos Negócios Estrangeiros está ainda a recolher informações sobre este caso, mas já avançou que a carne chegou à Venezuela. O problema terá acontecido posteriormente na distribuição. Augusto Santos Silva considera-o, por isso, um “problema comercial”.

“Da parte de empresas portuguesas, esses fornecimentos foram feitos, estão contratualizados, e, portanto, a questão de saber se a carne de porco foi distribuída ou não na Venezuela diz respeito às autoridades venezuelanas“, declarou o governante, segundo o Diário de Notícias.

Santos Silva garantiu também que o embaixador da Venezuela em Lisboa não será contactado para esclarecimentos, já que não se trata de um “problema diplomático”.

Notícia atualizada às 12h29

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O Governo português não tem poder para sabotar pernil de porco. Santos Silva responde a Nicolas Maduro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião