Da Padaria Portuguesa à Agência Europeia do Medicamento: os artigos de opinião mais lidos em 2017

  • Rita Frade
  • 29 Dezembro 2017

Com 2017 prestes a terminar, é tempo de rever alguns dos artigos de opinião mais lidos pelos nossos leitores.

2017 está a chegar ao fim e, por isso, é tempo de rever alguns dos artigos de opinião que mais marcaram os nossos leitores. Da mais recente polémica do financiamento partidário, à candidatura de Lisboa e do Porto para sede da Agência Europeia do Medicamento foram vários os temas que estiveram em destaque este ano.

“Eu vou… à Padaria Portuguesa”

Não chega investir e criar empregos, um empresário tem também de ser politicamente correto nas opiniões para evitar o populismo das redes sociais e de outras, as menos sociais.

Montra de uma Padaria Portuguesa.Paula Nunes / ECO

“Pela calada do Natal aconteceu o saque partidário”

As questões do financiamento e gestão dos partidos são demasiado sérias para serem tratadas na obscuridade, como acaba de acontecer com um entendimento parlamentar alargado.

“Isto vai ser mesmo a ‘Santa Casa’?”

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai mesmo jogar com 200 milhões de euros no ‘euromilhões’ do Montepio? A quem devemos pedir responsabilidades por esta irresponsabilidade?

Sede da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

“Os 12 deputados que levaram a hipocrisia longe demais”

Que os principais guerreiros contra o “centralismo lisboeta” na Agência Europeia do Medicamento sejam deputados que votaram a favor de Lisboa ultrapassa toda a hipocrisia e oportunismo imagináveis.

“O pior (deste Governo) está para vir”

O Governo está em funções há dois anos, mas é no mínimo um excesso assumir dois anos de governação. Desde 17 de junho, temos uma comissão de gestão. E, tendo em conta o OE 2018, o pior está para vir.

O primeiro-ministro António Costa no final da reunião do Conselho de Ministros realizada para assinalar os dois anos de Governo, Aveiro, 26 de novembro de 2017.MANUEL ARAÚJO/LUSA

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da Padaria Portuguesa à Agência Europeia do Medicamento: os artigos de opinião mais lidos em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião