Marcelo veta nova lei de financiamento dos partidos

Presidente da República fala em “ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida”.

Já se suspeitava e assim aconteceu. Marcelo Rebelo de Sousa decidiu chumbar a nova lei de financiamento dos partidos que previa, entre outras matérias, o alargamento do benefício da isenção do IVA a todas as atividades partidárias e ainda o fim do limite para as verbas obtidas através de iniciativas de angariação de fundos.

“O Presidente da República decidiu devolver, sem promulgação, o Decreto da Assembleia da República n.º 177/XIII, respeitante ao financiamento partidário, com base na ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”, lê-se numa nota publicada no site da Presidência da República.

“Desta decisão deu Sua Excelência o Presidente da República conhecimento pessoal a Sua Excelência o Presidente da Assembleia da República, só devendo a correspondente carta dar entrada amanhã na Assembleia da República”, acrescenta a nota.

Apesar da clara indicação de veto, Marcelo Rebelo de Sousa remete para a reabertura do Parlamento, após as férias de Natal, a fundamentação desta sua decisão.

A polémica à volta da lei de financiamento dos partidos aconteceu depois de o Parlamento ter aprovado a 21 de dezembro as alterações à atual lei com os votos a favor (119) das bancadas do PSD, PS, BE, PCP e PEV, a que se opuseram apenas os deputados do CDS e do PAN. A decisão de alterar a lei foi aprovada, sem que se saiba quem foi o autor das propostas e não havendo mesmo ata da reunião.

Até agora, as receitas de angariação de fundos não podem exceder anualmente, por partido, 1.500 vezes o valor do IAS (Indexante de Apoios Sociais) e com as alterações aprovadas no parlamento, deixa de haver qualquer limite máximo para essa angariação de fundos. Já com a nova alteração prevista para o IVA, os partidos podem pedir a devolução deste imposto de todas as despesas que fizerem.

Marcelo Rebelo de Sousa já se tinha manifestado sobre a alteração à lei, lembrando aos partidos, a partir de uma nota publicada no site da Presidência da República que os deputados podiam pedir a fiscalização preventiva da constitucionalidade do decreto. Marcelo lembrava ainda na mesma nota que sobre esta lei só se poderia pronunciar oito dias depois da sua receção, o que oficialmente remetia para o dia 30 de dezembro, uma vez que esta só entrou no Palácio de Belém a 22 de dezembro, um dia depois de ter sido aprovada.

“Durante este período de oito dias e após a notificação pelo Presidente da Assembleia da República, têm o Primeiro-Ministro e um quinto dos Deputados em funções, o direito de requerer a fiscalização preventiva da constitucionalidade do decreto”, frisava a mesma nota.

Esta nota de Marcelo teve resposta rápida dos principais partidos políticos e até do primeiro-ministro, António Costa. Costa recusava pedir a fiscalização preventiva das alterações à lei do financiamento dos partidos, justificando a sua decisão com o consenso alargado que a votação à lei obteve no parlamento.

Este é o sexto veto da presidência de Marcelo Rebelo de Sousa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo veta nova lei de financiamento dos partidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião