Centeno pagou 725 mil para avaliar propostas do Novo Banco

  • ECO
  • 3 Janeiro 2018

O gabinete do ministro das Finanças pagou à consultora Oliver Wyman para avaliar as propostas apresentadas por todos os interessados no processo de venda do Novo Banco.

Mário Centeno pagou 725 mil euros à consultora Oliver Wyman para avaliar as propostas apresentadas pelos vários interessados no âmbito do processo de venda do Novo Banco, de acordo com um documento publicado no portal Base. Um processo que ficou encerrado em outubro com a alienação do banco liderado por António Ramalho ao fundo norte-americano Lone Star.

“O presente contrato tem por objeto estabelecer as condições para aquisição de serviços técnicos especializados para a avaliação e comparação das propostas apresentadas pelos diversos participantes no âmbito do processo de venda da participação detida pelo Fundo de Resolução no Novo Banco”, lê-se no documento. O contrato com a Oliver Wyman foi assinado a 6 de abril de 2017 por um prazo de 549 dias. Mas apenas foi publicado esta terça-feira no portal Base, como avançou o Dinheiro Vivo.

Ao valor do contrato — de 725 mil euros, excluindo o pagamento do IVA — soma-se ainda o “reembolso das despesas” que dizem respeito a “deslocações, incluindo custos de alimentação e transporte, as quais não podem exceder o montante correspondente a 10% do preço”. Segundo o mesmo documento, a consultora Oliver Wyman teve de manter contactos, em nome do gabinete do ministro das Finanças, com “os participantes potencialmente interessados na aquisição do todo ou parte dos ativos, passivos, elementos extra patrimoniais e ativos sob gestão do Novo Banco para aferir o interesse efetivo na aquisição”.

Foi em outubro que o Novo Banco foi vendido ao Lone Star. Um acordo que incluiu uma injeção de mil milhões de euros por parte do fundo para ficar com uma participação de 75% — 750 milhões no closing do negócio e mais 250 milhões até ao final do ano passado — e ainda avançar com uma “reestruturação aprofundada da instituição”. Os restantes 25% ficam nas mãos do Fundo de Resolução, o que apenas é possível porque a resolução acontece antes de terem sido implementadas as novas regras europeias sobre resoluções bancárias.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno pagou 725 mil para avaliar propostas do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião