Austrália legaliza exportação de canábis medicinal. Mercado poderá valer 63,5 mil milhões

Após a legalização do uso de canábis para fins medicinais, a Austrália decide autorizar a sua exportação. O objetivo é tornar-se líder mundial no fornecimento, ao mesmo tempo que se ajudam produtores.

O continente australiano anunciou esta quinta-feira que vai autorizar a exportação de canábis para fins terapêuticos. A ideia passa por aumentar as oportunidades de negócios dos mais de dez produtores e tornar-se no líder mundial de produção da planta.

Em 2016, o Governo australiano autorizou o uso de canábis para fins medicinais, no entanto, o uso recreativo é ainda proibido. Um ano e pouco depois, Camberra decide dar mais um passo nesse campo e autoriza a exportação de medicamentos feitos à base desta planta, desde que para fins terapêuticos. Junta-se, assim, ao Canadá, Israel, Holanda e ao Uruguai — também produtores de canábis, contribuindo para o crescimento desse mercado mundial, que os analistas estimam que venha a valer 63,5 mil milhões de dólares (52,8 mil milhões de euros) em 2024.

A autorização para a primeira exploração agrária começar a produzir canábis medicinal chegou em março de 2017, acabando por ser acompanhada por outras que foram adquirindo licenças. E foi a pensar nesses mais de dez produtores registados oficialmente que Camberra deu este passo, acreditando nas suas capacidades de crescimento e expansão.

“A existência de um mercado australiano e de um mercado internacional vai melhorar a longevidade desta atividade na Austrália“, adiantou o Ministro da Saúde, Greg Hung. O país pretende ainda tornar-se “o fornecedor número 1 de canábis medicinal do mundo” mas, para obter essa licença de exportação, uma das condições terá de ser definir como prioridade o mercado doméstico.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Austrália legaliza exportação de canábis medicinal. Mercado poderá valer 63,5 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião