Imobiliárias consideram “perigosas para mercado” medidas sobre alojamento local

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2018

Luís Lima, presidente da APEMIP defende que tem havido "muito populismo" no debate sobre os impactos do alojamento local na vida das pessoas.

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) considerou esta segunda-feira que as medidas debatidas na Assembleia da República são “perigosas para a continuidade do mercado” de alojamento local.

Em comunicado, a APEMIP reagiu “com receio” sobre o futuro do alojamento local que, de acordo com o presidente Luís Lima, “poderá estar em causa com a eventual aprovação de uma medida daquela natureza”.

Na sexta-feira, cinco projetos de lei referentes ao alojamento local foram discutidos no plenário da Assembleia da República, baixando à Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, sem votação, para discussão na especialidade.

PCP, Bloco de Esquerda, PS, PAN e PSD já se haviam mostrado “abertos ao diálogo”, em sede de especialidade, para debaterem a regulação do alojamento local, já que os seus projetos defendem, na generalidade, a obrigatoriedade de uma autorização por parte da assembleia dos condóminos para o exercício da atividade.

Para o responsável da APEMIP, existe “muito populismo” à volta do impacto que o alojamento local tem na vida das pessoas e famílias que vivem nos centros das cidades, salientando que foi este mercado “a verdadeira pedra de toque para a dinamização do sector imobiliário no país”.

Os anticorpos que se geram são desmedidos, pois na balança os benefícios são bem maiores do que os malefícios.

Luís Lima

Presidente da APEMIP

“Trouxe investimento, incentivou a reabilitação urbana, redinamizou os centros das cidades, salvou setores como a construção ou a restauração e gerou emprego para muita gente que viu neste mercado uma solução para, por exemplo, não ter que abandonar o país. Os anticorpos que se geram são desmedidos, pois na balança os benefícios são bem maiores do que os malefícios”, refere o representante das imobiliárias portuguesas.

Luís Lima reconheceu também os problemas habitacionais que existem, sobretudo nas principais cidades do país, mas recordou, igualmente, que estas dificuldades já existiam bem antes de o alojamento local ganhar a dinâmica que tem ganho em Portugal.

[Deixar nas mãos dos condomínios a hipótese de decidir] se o vizinho poderá ou não colocar a sua casa no mercado de alojamento local é absolutamente utópico.

Luís Lima

Presidente da APEMIP

“O mercado de alojamento local tem sido o bode expiatório para os problemas habitacionais que se vivem nas grandes cidades. Mas, só em receita fiscal este mercado arrecadou mais de 120 milhões de euros em 2017. Ora se há problemas, e se é ao Estado que compete resolvê-los, que tal utilizar este dinheiro para sanar os problemas habitacionais das famílias mais carenciadas”, questionou Luís Lima.

Para o responsável, deixar nas mãos dos condomínios a hipótese de decidir “se o vizinho poderá ou não colocar a sua casa no mercado de alojamento local é absolutamente utópico”. “Deixar nas mãos de outrem tal decisão é deixar os proprietários prisioneiros das cobiças e mexericos da má vizinhança”, sublinhou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imobiliárias consideram “perigosas para mercado” medidas sobre alojamento local

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião