Rio pronto para apoiar Governo minoritário do PS. Santana não

  • ECO
  • 8 Janeiro 2018

Ao contrário de Santana Lopes, que sublinha que "não fará acordos de Governo com o PS", Rui Rio admite apoiar qualquer Governo minoritário que saia das eleições de 2019.

A uma semana das eleições diretas do partido social-democrata, Rui Rio admite apoiar um Governo minoritário do PS, após as eleições de 2019. “Aquilo que me parece mais razoável é nós estarmos dispostos para, a nível parlamentar, suportar um Governo minoritário, seja ele qual for, neste caso o do PS”, sublinhou o candidato à liderança dos laranjas, em entrevista ao Público e à Renascença. No domingo, Pedro Santana Lopes, que também está na corrida ao cargo referido, esclareceu, por outro lado, que “não fará acordos de Governo com o PS”.

Ainda que disposto a suportar um Governo da oposição, o atual presidente da Câmara do Porto deixa um nota ao partido socialista: “[Apoiar qualquer governo minoritário] é aquilo que o PS deveria ter feito, suportar de forma crítica naturalmente, mas deixar passar e governar o partido mais votado“.

Já sobre a presidência de Marcelo Rebelo de Sousa, Rui Rio faz um balanço positivo, mas diz que preferia que tivesse “mais recato”. O candidato à liderança do PSD afasta a possibilidade de ser conseguido o consenso sobre a descentralização pedido pelo Presidente da República e defende que será “muito difícil” fazer acordos sobre reformas estruturais até 2019.

Além disto, o social-democrata recusa revelar se mantém ou não a confiança no atual líder parlamentar. “Esta campanha é demasiado absorvente para pensar num problema que posso nem ter, se não ganhar”, realça. Ainda sobre a Assembleia da República e caso vença as eleições diretas, Rio diz não considerar uma desvantagem o PSD ter um líder que não está presente no Parlamento. Em matéria de reforma do sistema político, defende ainda a redução do número de deputados, deixando a ressalva de esse cenário só poderá ser concretizado se respeitar o pluralismo democrático.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio pronto para apoiar Governo minoritário do PS. Santana não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião