China bloqueia plataformas que permitem transações com moedas virtuais

O Governo chinês tem bloqueado plataformas alternativas que permitem transações com bitcoin, depois de ter bloqueado o acesso às principais.

Não bastava a Coreia do Sul querer travar a ascensão da bitcoin, também a China decidiu juntar-se à equipa. O país tem vindo a aumentar o seu controlo no que diz respeito a transações com moedas virtuais, acabando mesmo por bloquear certas plataformas online e aplicações que oferecem serviços que permitem esses câmbios.

O ano passado, depois de as autoridades terem proibido as transações com moedas virtuais nas principais plataformas, notaram um aumento dessas mesmas transações em locais alternativos. Face a isto, o Governo chinês pretende bloquear o acesso dos cidadãos a essas plataformas e offshores que permitem esses câmbios, de acordo com a informação avançada pela Bloomberg (conteúdo em inglês). No entanto, não há mais informações sobre os critérios de seleção dos mesmos.

Até ao início do ano passado, a China era o país mais ativo para negociações com bitcoin e, ainda que continue a ser um dos maiores nesse aspeto, os principais investidores na moeda virtual já começam a procurar outros mercados menos exigentes. O controlo apertado do Governo chinês bloqueou os mercados globais da bitcoin nos últimos meses e as principais autoridades mundiais estão a aumentar as investigações à volta das moedas virtuais, devido a preocupações com lavagem de dinheiro e fuga aos impostos.

Após estes anúncios, a bitcoin caiu 1,39% esta segunda-feira para os 13.807,49 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China bloqueia plataformas que permitem transações com moedas virtuais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião