Bancos portugueses vão ter pagamentos instantâneos ainda este ano

A SIBS vai testar com os bancos no primeiro trimestre do ano, uma nova solução com base em standards europeus que vai permitir transferências bancárias em tempo real.

A SIBS está a desenvolver uma plataforma que irá permitir aos bancos nacionais disponibilizar ao seus clientes a possibilidade de estes realizarem pagamentos e transferências instantâneas. A empresa liderada por Madalena Tomé pretende testar em conjunto com os bancos nacionais essa ferramenta que deverá estar disponível no segundo semestre deste ano.

Esta possibilidade que resulta de uma recomendação do Banco Central Europeu, e que por isso não é obrigatória, irá assim permitir que os portugueses possam realizar pagamentos instantâneos já no início do próximo ano. Esta informação foi disponibilizada por Teresa Mesquita, diretora do Departamento de Gestão de Produto num encontro com jornalistas nesta quarta-feira de manhã.

“No primeiro trimestre entra em testes” explicou esta responsável, adiantando que “no segundo semestre já vai estar disponível” essa solução, mas antevendo que só no início do próximo ano haja condições para que a sua implementação em pleno possa acontecer. Até porque, segundo Teresa Mesquita, não faz sentido arrancar com a plataforma tendo a adesão de apenas um ou dois bancos, por exemplo.

“Este é um passo em frente bastante significativo, é uma modernização dos sistemas de transferência e não é algo que se faça levianamente, porque tem implicações”, diz a esse propósito Teresa Mesquita.

Em causa está a possibilidade de os portugueses poderem passar a realizar pagamentos instantâneos. Ou seja, 24 horas por dia, com a disponibilização do dinheiro na outra conta a ser quase imediato.

No início, esta plataforma apenas vai poder ser utilizada por bancos nacionais, mas o objetivo é alargá-la aos bancos europeus e depois a instituições financeiras de outras esferas geográficas. Em termos de montantes de movimentação, estas transferências instantâneas terão um limite máximo de 15 mil euros por dia, sendo que os bancos são livres para impor limites mais baixos. Em termos de custos para os clientes resultantes da utilização desta nova funcionalidade não há nada determinado nesse sentido, mas à partida os bancos serão livres de o fazer.

Em Portugal, o serviço de MB Way disponibilizado pela SIBS já permite fazer transferências instantâneas aos titulares de cartões multibanco. De acordo com Teresa Mesquita, já são 500 mil os utilizadores dessa ferramenta em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos portugueses vão ter pagamentos instantâneos ainda este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião