Administração e trabalhadores da Autoeuropa retomam negociações na segunda-feira

  • Lusa
  • 19 Janeiro 2018

Independentemente das negociações, o novo horário transitório, que inclui o trabalho aos sábados, vai mesmo entrar em vigor no final do mês de janeiro.

A Administração e a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa prosseguem na segunda-feira as negociações para o novo acordo laboral, mas o movimento Juntos pelos Trabalhadores da Autoeuropa promete manifestar-se domingo contra a imposição do novo horário transitório.

“No domingo, pelas 11:00, vamos fazer uma vigília, junto ao portão de entrada da fábrica, contra a imposição do novo horário, que não agrada aos trabalhadores e que não cumpre o artigo 233 do Código de Trabalho, porque não respeita as 35 horas de descanso na transição entre turnos”, disse à agência Lusa um trabalhador da Autoeuropa que integra aquele movimento.

“A empresa não dimensionou a fábrica para o volume de produção do novo veículo T-Roc. Os trabalhadores esperavam ter uma melhoria das condições de trabalho com a vinda de um veículo com este volume de produção, mas, o que está a acontecer é que vamos ficar ainda pior do que estávamos”, lamentou.

Independentemente das negociações sobre o acordo laboral e da contestação aos novos horários impostos pela empresa, após a rejeição de dois pré-acordos negociados com a Comissão de Trabalhadores, o novo horário transitório, que inclui o trabalho aos sábados, vai mesmo entrar em vigor no final do mês de janeiro.

Os trabalhadores da Autoeuropa, que serão distribuídos por três turnos – 07:00/15:30, 15:20/23:50 e 23:40/07:10 -, foram consultados pela empresa sobre a possibilidade de a rotação no turno da noite se fazer de semana a semana, mas a maioria ter-se-á pronunciado a favor da solução inicial proposta pela empresa, ou seja, pela rotação de três em três semanas.

A contestação aos novos horários poderá subir de tom nos próximos plenários que deverão ter lugar no dia 26 de janeiro, em que os trabalhadores da Autoeuropa deverão reapreciar uma proposta que já tinha sido aprovada nos plenários de 20 de dezembro, para a realização de uma greve nos dias 2 e 3 de fevereiro.

A administração da Autoeuropa e os representantes dos trabalhadores reuniram-se esta sexta-feira para discutir o novo acordo laboral, mas nenhuma das partes divulgou qualquer informação sobre a forma como estão a decorrer as negociações, que serão retomadas já na próxima segunda-feira.

A Autoeuropa deverá produzir este ano mais de 240.000 veículos, o maior número de sempre de veículos produzidos na fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administração e trabalhadores da Autoeuropa retomam negociações na segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião