Reis Campos: “Corremos o risco de não fazer parte do futuro de Angola”

  • ECO
  • 23 Janeiro 2018

Reis Campos, da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário exige coragem política para o problema que está criado com Angola. A situação diz, é grave para as empresas portuguesas.

O presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário está preocupado com a situação em Angola, na sequência do caso que envolve o ex-vice-presidente Manuel Vicente. Reis Campos diz mesmo que “corremos o risco de não fazer parte do futuro de Angola”.

Em entrevista ao Jornal de Negócios, publicada esta terça-feira, Reis Campos lembra que o continente africano representa 49,2% do volume de negócios das empresas portuguesas e que Angola representa cerca de metade.

“Angola tem um novo ciclo político. Este problema político que tem a ver com um problema jurídico coloca questões sérias a Portugal e também ao setor da construção“, afirma Reis Campos. Para resolver a questão, o presidente da Confederação da Construção pede diplomacia. “Tem de haver uma forma de diplomacia. É impensável que as empresas portuguesas não façam parte do futuro de Angola. Se há país com potencial, em termos de obras, é Angola”, acrescenta.

Ainda na mesma entrevista, o presidente da CPCI avisa que, apesar de haver um novo ciclo no setor, é preciso que haja contenção na tributação ao setor. Para Reis Campos, “parece que o imobiliário é uma fonte inesgotável de receitas, ou seja, há o IMI, o AIMI e, já se fala em tributar os residentes não habituais. Tem de haver alguma contenção, senão podemos criar desconfiança, que é o pior que pode acontecer ao nosso mercado”.

Questionado se pode existe uma bolha no setor do imobiliário, Reis Campos diz que os centros históricos de cidades como o Porto e Lisboa, onde os preços sofreram aumentos elevados, não são o espelho do país. “Nós não tínhamos alojamento local e bastou ter começado a aparecer com um peso de 6% a 7% para virem dizer que é preciso pôr cobro ao alojamento local. Nem os partidos se entendem. Deviam ver o que se está a passar em Londres ou Paris“, sublinha.

Para Reis Campos, o que existe é um regresso aos centros da cidade, mas sublinha que a escalada de preços fica por aqui. “Quem comprou, comprou. É um mercado que tem uma dimensão e esgotou-se. Os centros das cidades já foram inflacionados, mas esse mercado terminou”, garante.

Pacto político para investimento público

O presidente da Confederação da Construção defende um pacto político entre os partidos políticos com o objetivo de relançar as grandes obras públicas, e adianta que, “com esta solução de Governo, há hoje uma atenção diferente para com a construção”.

Apesar de o setor estar hoje longe da crise que o assolou, a verdade é que nem tudo são rosas. A banca, por exemplo, ainda não voltou a conceder crédito ao setor da construção e imobiliários, apesar de o setor dever hoje menos de metade do que devia às instituições financeiras em 2010. Para Reis Campos, a justificação é simples e deve-se ao facto “de a banca portuguesa ser hoje dominada por espanhóis”. “Entenderam que, se a construção estava mal em Espanha, também estava mal em Portugal, e daí ter havido um corte no financiamento do setor”, justifica o líder do setor da construção.

"Com esta solução de Governo, há hoje uma atenção diferente para com a construção.”

Reis Campos

Ainda assim, Reis Campos acredita que isso vai mudar: “Com as empresas a ficaram fortalecidas é natural que a banca volte a emprestar. Não tem outro remédio”.

Na extensa entrevista, Reis Campos fala ainda na falta de mão-de-obra do setor. O responsável diz que são precisos mais 70 mil trabalhadores para equilibrar o setor. Para compensar essa falta de trabalhadores, Reis Campos defende que se recorra ao centro de emprego, onde existem 57 mil trabalhadores com subsídios de desemprego e permitir que os trabalhadores estrangeiros ao serviço das empresas nacionais possam trabalhar em Portugal. Reis Campos defende uma maior fiscalização porque, adianta, “nunca tivemos tanta clandestinidade como hoje”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reis Campos: “Corremos o risco de não fazer parte do futuro de Angola”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião