Cinco gasolineiras não estão a incorporar biocombustível exigido na lei

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2018

O Estado poderá ter sido lesado pelos importadores que não operam no estrito cumprimento da lei em mais de 48 milhões de euros nos últimos três anos.

Cinco gasolineiras a operar em Portugal que importam gasóleo de Espanha não estão a incorporar a quantidade de biocombustível exigida na lei, podendo o Estado ter sido lesado em 48 milhões de euros.

Uma fonte oficial da Secretaria de Estado da Energia, citada no Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Dinheiro Vivo, adiantou que “há cinco operadores não cumpridores das incorporações, a quem foram exigidas compensações que ascendem a 24.394.000 euros e estão em instrução processos com um valor muito próximo daquele, totalizando, cerca de 48 milhões de euros”.

Também a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) destaca que “o Estado poderá ter sido lesado pelos importadores que não operam no estrito cumprimento da lei em mais de 48 milhões de euros nos últimos três anos (12 milhões por via fiscal e 36 milhões pela não incorporação de biocombustível”.

Fontes contactadas pelos jornais adiantaram que os cinco operadores estão inseridos maioritariamente no mercado chamado low-cost (baixo custo).

A Aperto estima que as importações ilegais representem 2% a 4% de todo o gasóleo vendido (os combustíveis simples representam mais de 60% do mercado).

De acordo com os jornais, o custo de incorporar o biocombustível no gasóleo pode rondar os 3,2 cêntimos por litro, mas facilmente chega aos 4 cêntimos com IVA.

“O preço médio do gasóleo espanhol antes dos impostos é praticamente igual ao português. A diferença surge quando são cobrados os impostos.

Quando o gasóleo chega a Portugal vem, por vezes, com algum biocombustível já incorporado, mas em menor quantidade face aos 7,5% exigidos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco gasolineiras não estão a incorporar biocombustível exigido na lei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião