Amazon junta-se ao JPMorgan para conquistar novo setor: a saúde

  • ECO
  • 30 Janeiro 2018

O maior retalhista americano, o maior banco do país e um dos mais admirados conglomerados juntaram-se para criar uma nova seguradora de saúde, que promete qualidade a "um preço razoável".

Depois de ter revolucionado o comércio, tanto eletrónico como físico, Jeff Bezos tem um novo setor debaixo de olho: a saúde. A Amazon anunciou, esta terça-feira, uma nova parceria com o banco nova-iorquino JPMorgan e com a Bershire Hathaway para criar uma seguradora que vai oferecer aos 1,2 milhões de colaboradores norte-americanos destas empresas cuidados com qualidade, mas a “um preço razoável”.

“O crescimento dos custos globais dos [cuidados de saúde] atua como uma ténia esfomeada na economia americana“, sublinhou o diretor executivo da Berkshire Hathaway, em comunicado citado pelo The Guardian. Warren Buffett reforçou que estas empresas ainda não têm respostas para este problema vivido pelos norte-americanos — Bezos também referiu que o projeto está ainda a dar os primeiros passos — mas revelou que acredita que juntas podem trabalhar em soluções.

De acordo com o trio, a nova empresa estará livre de “incentivos ao lucro”. Por revelar fica a dimensão do investimento que será feito pela Amazon, pelo JPMorgan e pela Berkshire Hathaway e o nome da futura entidade.

Em Wall Street, o anúncio provocou mal-estar junto das empresas do setor, reporta a Quartz. Os títulos da maior seguradora de saúde dos Estados Unidos, a United Health, chegaram a desvalorizar 5%. As ações das seguradoras Anthem, Cigna e Aetna também sofreram com a notícia e os títulos das farmacêuticas CVS e Express Scripts registaram um impacto semelhante.

Nos Estados Unidos, as empresas que oferecem planos de saúde aos seus trabalhadores veem a sua carga fiscal aliviada. Ainda assim, os custos destes cuidados têm crescido exponencialmente, provocando tensão sobre os orçamentos das companhias, sobretudo as mais pequenas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amazon junta-se ao JPMorgan para conquistar novo setor: a saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião