Nova política do Facebook proíbe anúncios a criptomoedas

  • Rita Frade
  • 31 Janeiro 2018

O Facebook anunciou a criação de uma nova política que proíbe anúncios a "opções binárias, ofertas iniciais de moedas e criptomoedas", como forma de evitar publicidade enganosa.

O Facebook anunciou esta terça-feira a criação de uma nova política que irá “proibir anúncios que promovam produtos financeiros e serviços que são frequentemente associados a práticas promocionais enganosas, como opções binárias, ofertas iniciais de moedas e criptomoedas“.

Isto significa que nenhum anunciante poderá promover moedas digitais, como bitcoin ou Ethereum, ou fazer anúncios a ICO (initial coin offering). Caso esta política seja violada, a empresa será banida do Facebook, bem como das restantes plataformas onde a rede social vende anúncios, o que inclui plataformas como o Instagram e respetiva rede de anúncios e Audience Network (rede de aplicações do Facebook).

Prohibited Financial Products and Services, Facebook

Na publicação colocada na rede social, o diretor de produtos da rede social, Rob Leathern, diz que “dois dos principais princípios de publicidade baseiam-se na crença de que os anúncios devem ser seguros e que são feitos para as pessoas, em primeiro lugar” e que “não há espaço para publicidade enganosa no Facebook“.

Com esta política, a Facebook pretende fazer com que as pessoas “continuem a descobrir e a saber mais sobre novos produtos ou serviços através de anúncios do Facebook sem terem medo de serem enganadas ou defraudadas“, precisamente numa altura em que cada vez mais surgem mais moedas digitais e o grau de desconfiança perante as mesmas aumenta.

Rob Leathern termina a publicação dizendo que “esta política faz parte de um esforço contínuo para melhorar a integridade e a segurança dos anúncios e fazer com que se torne difícil para os burlões de lucrar com a presença no Facebook“.

Esta medida surge depois de Mark Zuckerberg ter dito, no início de janeiro, que gostava de saber mais sobre os “aspetos positivos e negativos destas tecnologias [encriptação e criptomoedas] e qual a melhor forma de as usar nos seus serviços“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova política do Facebook proíbe anúncios a criptomoedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião