Ricon. Greve dos funcionários judiciais adia assembleia de credores

  • Lusa
  • 1 Fevereiro 2018

Credores iam avaliar proposta de encerramento e liquidação dos ativos da empresa, esta quinta-feira, mas greve dos funcionários judiciais levou ao adiamento da assembleia.

A assembleia de credores do grupo Ricon marcada para esta tarde foi “adiada e sem nova data prevista” devido à greve dos funcionários judiciais, adiantou à Lusa fonte do Tribunal de Comércio de Vila Nova de Famalicão.

Para esta tarde estava marcada a assembleia que iria decidir o futuro da Ricon Imobiliária e da Fielcon, sendo que a proposta que os credores iriam avaliar, apresentada pelo administrador de insolvência, era a de encerramento e liquidação dos ativos da empresa.

“A sessão desta tarde foi adiada e sem nova data prevista, não há funcionários”, disse à Lusa a referida fonte. Os oficiais de justiça iniciaram no dia 30 de janeiro uma jornada de greve, estando em causa reivindicações relacionadas com o descongelamento das carreiras, formação contínua dos oficiais de justiça e regime de aposentação.

O Tribunal de Vila Nova de Famalicão já decretou, na terça e na quarta-feira, o fim das outras seis empresas do grupo, a Ricon Industrial SA, a Delveste, a Nevag SGPS, a Nevag II SGPS, a Ricon Serviços e a Delcon.

A Ricon apresentou-se à insolvência no final de 2017, tendo um passivo de quase 33 milhões de euros. Os cerca de 800 trabalhadores do grupo, que detém as lojas da Gant em Portugal, receberam na segunda-feira as cartas de despedimento.

Também na segunda-feira, em comunicado, a administração daquele grupo têxtil explicou que a atividade “dependia de forma significativa da Gant, quer na vertente do retalho, cuja dependência era total, quer na vertente da indústria, cuja dependência era superior a 70%, e que aquela marca “se mostrou totalmente intransigente e indisponível para negociar e/ou mesmo abordar e analisar” as propostas apresentadas.

Na assembleia de credores da Delveste, a representante da Gant confirmou a falta de interesse da marca sueca. “A Gant tem uma estratégia para Portugal que não passa por nenhuma das propostas apresentadas”, explicou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ricon. Greve dos funcionários judiciais adia assembleia de credores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião