Família Gulbenkian sem poderes para travar a venda da Partex

  • ECO
  • 6 Fevereiro 2018

A eventual venda da Partex, a petrolífera da Fundação Gulbenkian, não estará a ser bem recebida por vários membros da família Gulbenkian. Mas o clã não tem poderes para travar a alienação.

A possibilidade de a Partex ser vendida não estará a ser bem recebida por vários membros da família Gulbenkian, revela o Jornal de Negócios (acesso pago) esta terça-feira. Contudo, não tem poderes para travar a alienação da empresa de petróleos, já que a decisão está nas mãos do conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian.

“A Partex não pertence à família, pertence à Fundação Calouste Gulbenkian. A FCG não é a família Gulbenkian”, disse fonte oficial da Fundação ao Jornal de Negócios, porque “para a Partex ser vendida, se for vendida, o conselho de administração tem de aprovar. A família, que não tem assento no conselho de administração, não tem voto”.

A Partex não pertence à família, pertence à Fundação Calouste Gulbenkian. A FCG não é a família Gulbenkian. Para a Partex ser vendida, se for vendida, o conselho de administração tem de aprovar. A família, que não tem assento no conselho de administração, não tem voto.

Fonte oficial da Fundação Calouste Gulbenkian

A Fundação está neste momento a negociar com os chineses da CEFC China Energy, que compraram os seguros ao Montepio, a venda da Partex, uma empresa que tem suscita interesse no mercado ao longo dos anos, mas cujas propostas não eram satisfatórias. A venda da posição poderá render à Fundação 500 milhões de euros, o valor pelo qual estavam avaliadas, em 2016, as várias posições em empresas de petróleo e gás em Omã e Abu Dhabi.

A família Gulbenkian tem apenas um membro no conselho de administração — Martin Essayan, bisneto de Calouste Gulbenkian, que, segundo a Fundação, deu luz verde ao arranque das negociações com os chineses. A Fundação tem justificado esta eventual alienação com uma questão de coerência, dada a aposta que tem vindo a fazer nas energias renováveis. Segundo a fundação o petróleo representa 18% das suas receitas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Família Gulbenkian sem poderes para travar a venda da Partex

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião