IRS em papel acaba este ano mas ainda abrangeu 150 mil declarações em 2017. E agora?

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Fevereiro 2018

IRS em papel termina este ano. Em 2017 houve 150 mil declarações neste formato, menos de 3% do total. Finanças prometem apoio na entrega por via eletrónica.

É uma das novidades a ter em conta: a partir deste ano, os contribuintes já não podem entregar o IRS em papel, o que significa que as declarações têm obrigatoriamente de ser apresentadas por via eletrónica. De acordo com dados do Ministério das Finanças, só 150 mil declarações foram entregues em papel no ano passado, o que corresponde a menos de 3% do total. E a grande maioria diz respeito a rendimentos de trabalho dependente e pensões, “potencialmente abrangidos pelo IRS Automático”, nota a mesma fonte. A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) vai providenciar formas de apoio à entrega online.

Em 2017, relativamente ao IRS do ano anterior, 97,2% das declarações foram entregues via Internet, avançam dados do Ministério das Finanças. Um número que tem vindo a aumentar face a anos anteriores: 95% no IRS de 2015 e 90,8% no IRS de 2014.

“Verifica-se, assim, que, relativamente ao IRS de 2016 (declarações entregues em 2017), a percentagem de declarações entregues por Internet excedeu já os 97%, tendo as entregas em papel ascendido a apenas 150.000 declarações“, frisa fonte oficial do Ministério das Finanças. Deste conjunto, cerca de 130 mil declarações dizem respeito a contribuintes que só tiveram rendimentos do trabalho dependente e de pensões “e, portanto, potencialmente abrangidos pelo IRS Automático”, indica ainda. As restantes 20 mil declarações “respeitam a contribuintes que obtiveram outros rendimentos para além daqueles”.

A entrega por via eletrónica já era obrigatória em vários casos, uma vez que existia um conjunto de anexos que não podiam ser remetidos em papel. Mas agora generaliza-se. A portaria que estabelece esta obrigação, publicada no final de 2017, já justificava esta opção com, nomeadamente, o “alargamento do universo dos contribuintes que estão abrangidos pela declaração simplificada de IRS” e “o facto de que é já residual o número de contribuintes que procede à entrega desta declaração em suporte de papel”.

A portaria indicava ainda que “a AT está em condições de assegurar apoio na entrega da declaração por Internet aos contribuintes que ainda sintam dificuldades na utilização desta via”. Como será então assegurado este apoio? De acordo com o Ministério das Finanças, a AT irá:

  • Providenciar, nos Serviços Locais de Finanças e sempre que existam condições para o efeito, a criação de postos/quiosques destinados a um atendimento digital assistido de apoio aos contribuintes;
  • Disponibilizar, mediante atendimento por marcação nos Serviços Locais de Finanças, o respetivo apoio aos contribuintes;
  • Solicitar, tal como ocorreu em anos anteriores, o apoio das Juntas de Freguesias e dos “Espaços do Cidadão” (AMA), na implementação de um atendimento digital assistido de apoio aos contribuintes.

O período de entrega do IRS ocorre entre 1 de abril e 31 de maio. Este ano, o universo potencial de abrangidos pelo IRS automático já é maior: de acordo com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, a medida pode chegar a três milhões de agregados.

Em causa estão 60% do total dos agregados, salienta o Ministério das Finanças. Se o contribuinte verificar que a informação apresentada é correta, pode confirmar a declaração automática. Caso contrário, deve entregar a declaração nos termos gerais. E se nada fizer, a declaração torna-se definitiva e é considerada entregue. “Ou seja, os contribuintes nesta situação não estão obrigados a efetuar quaisquer procedimentos, seja de confirmação da declaração automática, seja de entrega da declaração nos termos gerais”, nota fonte oficial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IRS em papel acaba este ano mas ainda abrangeu 150 mil declarações em 2017. E agora?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião