Portugal é o quarto maior beneficiário do Plano Juncker

  • Lusa
  • 9 Fevereiro 2018

O financiamento destinado a Portugal ao abrigo do Plano Juncker atingiu já os 1,9 mil milhões de euros, que deverão mobilizar 5,4 mil milhões de euros em investimentos adicionais.

Portugal é o quarto Estado-membro da União Europeia que mais beneficiou até ao momento, em termos relativos, do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), conhecido com “plano Juncker”, segundo dados atualizados esta sexta-feira pela Comissão Europeia.

De acordo com os mais recentes dados do executivo comunitário, os cinco países que mais beneficiaram, até ao corrente mês, em termos de impacto total de investimento mobilizado pelo FEIE em proporção do Produto Interno Bruto (PIB) foram, por esta ordem, Estónia, Grécia, Bulgária, Portugal e Espanha.

O financiamento destinado a Portugal ao abrigo do “plano Juncker” atingiu já os 1,9 mil milhões de euros (1,1 mil milhões em projetos de infraestruturas e inovação e 800 milhões para as Pequenas e Médias Empresas), que deverão mobilizar 5,4 mil milhões de euros em investimentos adicionais, segundo os dados da Comissão Europeia. O valor de financiamentos de 1,9 mil milhões de euros coloca Portugal no oitavo lugar da lista de Estados-membros mais beneficiados pelo FEIE em termos absolutos, liderada pela França (8,7 mil milhões), seguida de Itália (6,5 mil milhões) e Espanha (5,5 mil milhões).

No total, o “plano Juncker” de investimento já realizou financiamentos no valor de 53 mil milhões de euros, que Bruxelas espera que mobilizem 264,3 mil milhões em investimentos, o que representa 84% da meta original da Comissão, de mobilizar 315 mil milhões até ao verão de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é o quarto maior beneficiário do Plano Juncker

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião