Coreia do Norte aberta a conversações com EUA

  • ECO e Lusa
  • 25 Fevereiro 2018

O presidente sul-coreano encontrou-se com um general do Norte que garantiu que Pyongyang está disposta a negociar com os Estados Unidos, um dia depois de acusar os EUA de um "ato de guerra".

De acordo com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, a Coreia do Norte está disposta a entrar em conversações com os Estados Unidos da América (EUA), escreve a BBC. O general norte-coreano Kim Yong-chol encontrou-se com o presidente da Coreia do Sul antes da cerimónia de encerramento das Olimpíadas de Inverno, que decorrem na cidade de Pyeongchang.

As autoridades norte-americanas já rejeitaram um encontro entre as delegações dos dois países nos próprios Jogos Olímpicos, onde a filha do presidente Donald Trump, Ivanka, está presente. No entanto, os Jogos Olímpicos têm proporcionado oportunidades para o Norte se aproximar mais de Seul, no que alguns dizem ser uma tentativa de afastar a Coreia do Sul de Washington D.C.

O presidente Moon disse que o general norte-coreano se mostrou “muito disposto” a reunir com os Estados Unidos, e concordou que as relações entre Pyongyang e a Coreia do Sul e os Estados Unidos poderiam melhorar em simultâneo.

Estas declarações chegam poucas horas depois de uma declaração vinda de Pyongyang que classificava as sanções dos Estados Unidos como um “ato de guerra”.

Na passada sexta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou as novas medidas para isolar a Coreia do Norte, definindo-as como “as mais pesadas sanções já impostas contra um país”. Em causa estão limites a 27 empresas marítimas registadas ou sediadas em países que mantêm relações com a Coreia do Norte.

“Trump está a tentar mudar-nos através das sanções e das suas palavras hostis, o que revela ignorância sobre o nosso país. Temos as nossas próprias armas nucleares, uma espada de justiça que nos protege contra as ameaças dos Estados Unidos”, disse o Ministério das Relações Externas da Coreia do Norte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coreia do Norte aberta a conversações com EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião