Rio seguiu uma estratégia anti-Passos

  • ECO
  • 25 Fevereiro 2018

A primeira semana de Rui Rio não foi brilhante, afirma Marques Mendes. Mas percebeu-se uma ideia central: Rio foi um líder anti-Passos Coelho.

Rui Rio não teve “uma primeira semana brilhante, mas teve uma ideia central: demarcar-se de Passos Coelho”, afirma Marques Mendes no seu comentário semanal na SIC. Para o comentador, foi um “Rio anti-Passos Coelho”. Em que pontos? No diálogo com António Costa, na escolha de Elina Fraga e na ideia de uma política de justiça e no confronto com os deputados. “É uma estratégia anti-Passos, percebe-se a ideia, mas tem alguns problemas”, afirma Marques Mendes.

Para Marques Mendes, os contactos entre o líder da oposição e o governo são positivos, mas aponta um problema. “Rui Rio admitiu negoiar alguns acordos, mas estes são a agenda de António Costa. E os que Rio elencou, na justiça e na segurança social?”, insiste. Além disso, Mendes considera que há um falhanço nestas negociações. “Há uma falha enorme, dos dois, de António Costa e Rui Rio, que é o desenvolvimento do interior, a coesão”. É um terceiro acordo que deve estar na discussão do governo e do PSD, aponta.

Até ao momento, só há casos, afirma Marques Mendes. O comentador afirma que Rio faz bem em demarcar-se de Passos Coelho, “mas tem de ser por causas e não por casos”. Um deles é o da eleição de Fernando Negrão. “Negrão é mais vítima do que réu. No lugar dele, tinha vindo embora, mas tem legitimidade para ficar. O principal teste e desafio são os debates com o primeiro-ministro. Se não estiver bem, fragiliza-se ainda mais”, acrescenta Mendes. “Já é tempo de o PSD começar a fazer oposição, o que se passa na saúde, na dívida pública”, citou.

A saúde foi, aliás, o tema que esteve no início do seu comentário. “O estado de graça do ministro da Saúde acabou”, afirma Mendes. Porque as críticas são generalizadas, por médicos, enfermeiros, depois há hospitais a queixarem-se de falta de médicos, também o endividamento e as dívidas a fornecedores. “Neste setor, como na generalidade dos setores, não foram feitas reformas, nem vão ser feitas”, afirma Marques Mendes. E o comentador acrescenta que o governo está a gerir o dia a dia. Ao fim de dois anos de governação, os problemas vêm ao de cima e vai acontecer noutros setores, como na educação.

O ministro da Saúde vai cair? “Não, acho que não vai sair. A mudança de ministro da saúde não vai resolver o problema da saúde”, refere, e acrescenta que o problema está na própria geringonça e na ditadura das finanças. “O PSD e o CDS andam distraídos e poderiam usar a figura da interpelação parlamentar” para discutir o estado da saúde.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio seguiu uma estratégia anti-Passos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião