Investidores não temem Powell. Wall Street recupera do mini-crash

  • Juliana Nogueira Santos
  • 26 Fevereiro 2018

Os três principais índices norte-americanos renovaram máximos de quase quatro semanas, altura em que o pânico se instalou nos mercados bolsistas. A Apple avançou 2% com os novos iPhones.

Com as atenções viradas para o primeiro discurso de Jerome Powell como governador da Reserva Federal dos Estados Unidos, os investidores não mostraram medo do que este poderá dizer. Ainda que o medo de uma subida abrupta da taxa de juro diretora tenha assustado os mercados, a quase certeza de que o ritmo se vai manter levou os principais índices a voltarem aos valores antes do mini-crash.

O industrial Dow Jones encerrou em alta de 1,57%, nos 25.709,27 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 1,18% para 2,779,0 pontos. Já o tecnológico Nasdaq ganhou 1,14% para 7.421,46 pontos. Os três principais índices renovam assim máximos de quase quatro semanas, altura em que o pânico se instalou nos mercados bolsistas.

Em destaque nesta sessão estiveram as ações da Apple, que após anunciar o lançamento de mais três novos iPhones, um deles o maior de sempre, escalou 1,97% em bolsa, cotando nos 178,97 dólares. Também as ações da HP tiveram uma performance acima da média, avançando 6% para os 23,46 dólares.

“Os investidores estão a começar a aperceber-se e a perceber que este ambiente antigo de taxas e inflação baixas está a evoluir”, disse à Bloomberg, Erik Knutzen, analista da Neuberger Berman Group. “As taxas estão a subir, a inflação está a subir e desde que as taxas e a inflação, e até certo ponto o dólar, não se movam demasiado rápido então este pode continuar a ser um bom ambiente para as participações e para os créditos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores não temem Powell. Wall Street recupera do mini-crash

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião