Millennials: O mini-crash visto pela geração que nunca assistiu a um

  • ECO
  • 9 Fevereiro 2018

Os jovens nascidos entre os anos 80 e os anos 90 do século passado estão agora a dar os primeiros passos nos pisos de negociação num cenário que está a mudar. Estão preparados?

Com as bolsas mundiais a estenderem as suas perdas desde o fim da semana passado, os analistas e os investidores começam a preparar-se para assistir novamente a um cenário de crash bolsista. Outros, têm de se preparar para algo que nunca viram. Falamos dos millennials.

Os jovens nascidos entre os anos 80 e os anos 90 do século passado estão agora a dar os primeiros passos nos pisos de negociação num cenário que está a mudar. Estes viveram, até agora, numa era em que os índices atingiram recordes, os estímulos dos bancos centrais alimentavam os mercados e que até foram criados ativos inovadores.

Mas com estes estímulos a terminarem e as taxas de juro a descolarem do zero, os traders mais antigos estão preocupados com a capacidade de resiliência e a preparação dos mais novos para um possível grande desafio. Numa análise da agência Bloomberg, Paul McNamara, gestor de equipas na GAM, em Londres, afirma a necessidade de preparação dos novos profissionais.

"Não trabalhei numa era diferente desta, mas quem diz que estamos a voltar à era antiga?”

Ben Kumar

Gestor de ativos de 28 anos

“Os traders têm de estar naquela fase em que estão a olhar para o ecrã pelos seus próprios dedos para valorizarem verdadeiramente o risco-recompensa nesta indústria”, considera McNamara. “Não só ser capaz de ver as coisas a correrem mal, mas correrem ainda mais mal do que alguma vez imaginou ser possível.” É por isto que o gestor tem pensado duas vezes aquando das contratações.

Ainda assim, McNamara parece ser uma exceção. Um estudo citado pela agência, feito por entre os traders da City, aponta para cerca de metade dos questionados tenham nove anos ou menos de experiência.

“Temos noção que os juniores que contratámos e treinámos não têm a experiência de trabalhar em condições normais nos mercados”, justificou Christian Hille, da Deutsche Asset Managment. “Eles próprios estão preocupados com o que acontece a partir de agora. O que acontece quando os estímulos sejam retirados”. Hille afirma assim que tenta pôr as coisas em perspetiva para os membros mais novos, para assim os ir preparando.

Millennials não querem ser subestimados

Ainda que estejam a ser alvos de muitas dúvidas, os traders mais novos não querem ser subestimados. “Sinto-me preparado para uma próxima recessão”, defende-se Victor Massue, um gestor de fundos luxemburguês de 28 anos. “A humilhação é um dos valores mais importantes nas finanças, faz com que não tenhamos um ego inflacionado. Os mercados são arriscados, os novos investidores têm de saber que o objetivo do jogo não é ganhar dinheiro, no princípio é tentar não perder e sobreviver.”

Para além de se sentirem preparados, os traders garantem que nada acontecerá como no passado, sendo que estamos numa nova era. “Encontrem-me alguém que tenha trabalhado na era da inflação a 15% e falarei com ele acerca de bitcoin e internet”, aponta Ben Kumar, gestor da Seven Investment Managment, 29 anos. “Não trabalhei numa era diferente desta, mas quem diz que estamos a voltar à era antiga?”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Millennials: O mini-crash visto pela geração que nunca assistiu a um

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião