10 dicas sobre como inscrever nos Prémios Lusófonos da Criatividade

  • ECO + PRÉMIOS LUSÓFONOS
  • 9 Março 2018

Criámos um conjunto de dicas fundamentais para quem deseja inscrever os seus trabalhos neste (ou noutros) prémios destas indústrias.

As inscrições para os Prémios Lusófonos da Criatividade terminam em breve e esta é precisamente a altura em que as agências de publicidade, consultoras de relações públicas, ateliers de design, produtoras e departamentos de marketing, entram em rebuliço e em discussão sobre quais os trabalhos que devem inscrever e sobre qual a melhor forma de apresentar os mesmos, convencendo o reputadíssimo júri a atribuir o tão desejado prémio. De forma a facilitar todo este processo, criámos 10 dicas fundamentais para quem deseja inscrever os seus trabalhos neste (ou noutros) prémios destas indústrias.

1) Escolha as categorias com base no tipo de trabalhos que foram premiados na edição anterior.

Os Prémios Lusófonos da Criatividade têm um júri de elite, onde constam vários dos profissionais de topo destas áreas. No entanto, é preciso saber que cada categoria tem um painel de jurados diferente e que se mantém ao longo de todo um biénio.

Visto que já estamos na 2ª edição deste biénio, e que logo o júri é o mesmo, é importante que antes de inscrever os seus trabalhos, veja bem qual o tipo de peças que o júri optou por premiar na edição anterior. Esta informação pode ser facilmente obtida aqui.

2) Evite inscrever um trabalho em apenas uma categoria.

Sempre que inscrevemos um trabalho num prémio, só o fazemos por termos a convicção que o mesmo será reconhecedor desse galardão. No entanto, na maioria das vezes, esse trabalho acaba mesmo por não se premiado, não porque o trabalho não é bom, mas porque o júri entendeu que nessa categoria existiam trabalhos melhores, ou trabalhos que se enquadravam mais no âmbito dessa categoria.

No seguimento do ponto anterior, é preciso ter em conta que painéis de júri diferentes, acabam por ter sempre opiniões diferentes. Logo, é importante que quando se inscreva um trabalho, se faça colocando o mesmo em mais do que uma categoria. As diversas categorias a concurso podem ser consultadas aqui.

3) Apresente o seu trabalho de forma curta, sucinta e objetiva.

Há diversas formas de apresentar o seu trabalho ao júri. A maioria das empresas participantes, quer sejam agências, produtoras, ou marcas, costuma fazê-lo com recurso a imagens, um ficheiro pdf, e, ou, um vídeo-case. Obviamente que a melhor forma de apresentar cada tipo de trabalho, depende de quais as categorias em que o desejamos inscrever.

No entanto, há uma regra que é comum a todos os trabalhos, categorias e tipos de ficheiros: não interessas complicar! Cada júri tem que avaliar, por norma, várias dezenas de trabalhos. Para o cativar, o melhor é apresentar o seu da forma o mais curta, sucinta e objetiva possível.

4) Está a pensar fazer um vídeo-case? Então o melhor mesmo é ler esta parte.

Nem todos os trabalhos precisam de um vídeo-case para saírem vencedores. No entanto, é óbvio que um bom vídeo-case ajuda a contar melhor a sua história e que uma história bem contada tem mais hipóteses de ser premiada.

As boas práticas dizem-nos que um vídeo-case deve ter não mais do que dois minutos, uma produção cuidada e seguir uma narrativa simples, composta da seguinte forma:

  • Apresentação do briefing ou problema que a marca se propôs a resolver.
  • Ideia criativa ou estratégia encontrada para solucionar o problema ou briefing.
  • Resultados atingidos quer do ponto de vista de notoriedade, quer de negócio.

Seguindo estas regras básicas, tudo o resto é da responsabilidade da criatividade da sua equipa. Escolha uma boa música, opte por ter cartelas com texto ou uma voz-off como narrador e aposte num copy cuidado, descontraído e bem trabalhado.

5) Que regras seguir para fazer um bom board?

Principalmente nas categorias de publicidade, o board é uma das peças mais utilizadas pelas agências e marcas para explicar uma determinada campanha. Existem mesmos vários prémios, nacionais e internacionais, que têm regras bastante restritas de como deve ser cada board e de que conteúdo o mesmo deve conter. Os Prémios Lusófonos da Criatividade não têm regras específicas sobre este tema, no entanto, há sempre alguns pontos que devem ter sido em conta para aumentar a probabilidade desses boards serem melhor recebidos pelo júri:

  • Tal como no vídeo-case, divida o copy em três “capítulos” diferentes: Apresentação do briefing ou problema; Ideia criativa ou estratégia; e Resultados atingidos.
  • Evite que cada um destes “capítulos” tenha mais do que 300 caracteres. De forma a não tornar o board maçador para os jurados que o vão ter que ler.
  • No “capítulo” dos resultados, aposte em colocar os mesmos organizados por pontos, de forma a serem mais fáceis de ler e de perceber pelos jurados.
  • Aposte numa imagem cuidada e que explique não só o “look & feel” da sua campanha, mas também a forma como a mesma foi desenvolvida.
  • Por fim, por norma, um board é construído na horizontal e tem apenas uma página (como o próprio nome indica). No entanto, caso ache mesmo necessário, poderá ter mais que uma página, mas evite que tenha páginas a mais e desnecessárias.

6) Uma boa inscrição é quase sempre um bom trabalho de equipa.

Não se limite a preparar a sua inscrição isoladamente. Chame a sua equipa, mostre-lhes a forma como está a pensar apresentar os seus trabalhos e discuta com eles cada um dos pormenores das inscrições. Duas cabeças pensam melhor que uma e dois olhos têm, por norma, mais atenção aos pormenores do que apenas um.

7) Inspire-se nas grandes campanhas que venceram vários festivais.

Todos os anos, o The Gunn Report pontua e identifica as 100 campanhas que foram mais premiadas, quantitativamente e qualitativamente, nos diversos festivais de publicidade e comunicação à escala mundial.

É importante que consulte este ranking e é mais importante ainda que veja com atenção a forma como foram construídos estes boards e vídeo-cases. Não se prenda propriamente aos aspetos técnicos, mas foque-se antes na forma como a história foi contada e a narrativa construída.

8) Quer ser agência, marca ou produtora do ano? Construa a sua estratégia.

Os Prémios Lusófonos da Criatividade, todos os biénios, premeiam as Agências, Marcas e Produtoras do Ano Lusófonas, em cada área de atividade, mas também em cada país. Entre os vencedores dos anos anteriores constam vários dos maiores players dos vários países de língua portuguesa. Pode consultar os mesmos aqui.

A forma de apurar os vencedores das categorias anuais é bastante simples e baseia-se numa soma de pontos, com base nos trabalhos vencedores aos longo das três edições quadrimestrais.

Quer apostar também neste reconhecimento? Então está na hora de construir a sua estratégia e de reunir a sua equipa para escolher quais os melhores trabalhos a investir e a melhor forma de os apresentar.

9) Os Prémios Lusófonos da Criatividade não são só uma entrega de prémios.

Todos os quadrimestres, os Prémios Lusófonos da Criatividade têm eventos de entrada gratuita que não são apenas meras entrega de prémios. Trata-se de uma festa, precedida sempre por uma conferência e com importantes momentos de networking entre a indústria. Envolva-se nesta iniciativa, participe e traga a sua equipa. Pode ver mais informações sobre a forma como se inscrever seguindo esta ligação.

10) Use e abuse do backoffice dos Prémios Lusófonos da Criatividade.

Ao contrário de muitos outros festivais, estes prémios têm um backoffice disponível por mail e telefone 24 horas. A equipa de accounts dos Prémios Lusófonos da Criatividade poderá ajudá-lo em todos os pormenores das suas inscrições, bem como sugerir-lhe as melhores categorias para os seus trabalhos. De que está à espera? Entre já em contacto e faça as suas inscrições de forma rápida, simples e 100% on-line. Basta clicar aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

10 dicas sobre como inscrever nos Prémios Lusófonos da Criatividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião