Bloco quer alterar lei do arrendamento e limitar aumentos de rendas

Os bloquistas querem limites ao aumento das rendas e o reforço da estabilidade dos contratos, dificultando a sua denúncia. Do lado do PS, Helena Roseta também luta por mudanças à lei das rendas.

Depois de o PCP ter apresentado um projeto de lei para revogar o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), lei aprovada pelo Governo PSD/CDS e que entrou em vigor em 2012, é a vez de o Bloco de Esquerda avançar também com propostas para alterar o mercado do arrendamento. Os bloquistas não propõem revogar o atual regime, uma vez que reconhecem que, com a oposição do PS, não há maioria parlamentar para a aprovação dessa iniciativa, mas querem introduzir medidas como limites ao aumento de rendas e o reforço da estabilidade dos contratos de arrendamento, dificultando a sua denúncia.

A intenção foi anunciada pelo deputado Pedro Soares, durante uma sessão do grupo de trabalho parlamentar sobre habitação, reabilitação e políticas de cidades, onde foi ouvida a Comissão de Moradores Coração Alfacinha, da Mouraria. O bloquista referiu que “não há maioria para a revogação da lei das rendas”, uma vez que “PS e PSD já mostraram oposição a essa revogação”. Em alternativa, o Bloco de Esquerda vai apresentar, nos próximos dias, um projeto de resolução com medidas de alteração ao atual regime.

Uma das principais alterações será a introdução de limites aos aumentos de rendas. “Ao fim de um conjunto de anos, pensamos que é possível o senhorio negociar um aumento de renda, mas este tem de ser limitado, tem de ser razoável e não pode por em causa o direito à habitação por parte dos inquilinos”.

No ano passado, este grupo de trabalho parlamentar, presidido pela deputada socialista Helena Roseta, já conseguiu introduzir algumas alterações ao NRAU, que, ainda assim, foram consideradas insuficientes pelo PCP e pelo Bloco. As alterações que entraram em vigor em junho do ano passado abrangem os inquilinos com mais de 65 anos e os que têm rendimentos mais baixos, permitindo a prorrogação, por mais oito anos, do período transitório de atualização das rendas de contratos anteriores a 1990. Só terminado este prazo de oito anos é que os senhorios podem promover a transição dos contratos antigos para o NRAU.

Para além destes limites, os bloquistas defendem uma maior estabilidade dos contratos de arrendamento. “Não faz sentido que, na prática, não haja um período concreto para o contrato de arrendamento. Os senhorios podem, a qualquer altura, denunciar o contrato ou, então, fazer uma pressão grande sobre os inquilinos para aumentar a renda, o que, na prática, é denunciar o contrato”, disse Pedro Soares.

O Bloco defende ainda “apoios para os senhorios fragilizados” e a “discriminação positiva para os que pratiquem rendas acessíveis”, bem como a criação de um “seguro para os inquilinos que, por qualquer motivo, não possam pagar as rendas“.

Balcão Nacional de Arrendamento é para acabar

Onde parece haver consenso é na extinção do Balcão Nacional de Arredamento (BNA), que ficou conhecido por balcão de despejos, já que, na prática, esta é uma plataforma que automatiza os processos de despejo. PCP e Bloco já defenderam a sua extinção e, mesmo do lado dos socialistas, poderá haver abertura para isso.

A deputada Helena Roseta salienta que não desistiu de “fazer alterações ao NRAU” e que está a “batalhar junto do Governo” para que estas se concretizem. Quanto ao BNA, é clara: “Só serve para despejos. Não serve para mais nada a não ser para agilizar uma decisão que já está tomada por tribunais. Ou ele acaba, ou é substituído por uma instância que agilize os direitos de ambas as partes”, defende.

A deputada socialista admite ainda que “a lei não está a funcionar”. E lembra: “A lei devia ter dado lugar a um aumento do número de casas para arrendar e não deu, a única coisa que aconteceu foi o aumento das rendas”. Assim, ainda que admita não ter o apoio do PS, diz que continua a defender junto do partido que “os aumentos de rendas estejam coordenados com o estado de conservação das casas”, medida que, aliás, constava do programa de governo do PS, recordou.

“Não tenho ilusões de que vamos conseguir coisas muito importantes rapidamente”, ressalvou Helena Roseta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco quer alterar lei do arrendamento e limitar aumentos de rendas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião