Reforço da Mutualista avalia Montepio Seguros em 197 milhões

  • Rita Atalaia
  • 15 Março 2018

A compra de uma posição inferior a 1% por 1,5 milhões de euros avalia o ramo segurador num valor abaixo do implícito na proposta dos chineses da CEFC.

A Associação Mutualista comprou à Futuro – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, empresa do grupo Montepio, uma participação no Montepio Seguros inferior a 1% por 1,5 milhões, revela o relatório consolidado de 2016 da entidade liderada por Tomás Correia. Um reforço que avalia o ramo segurador em 197 milhões, abaixo da avaliação que deverá ser atribuída ao negócio na entrada dos chineses da CEFC China Energy, de 250 milhões.

A Associação Mutualista reforçou a sua posição nos seguros do Montepio, passando a ter 99,73% de interesse económico após esta transação.

"A aquisição, à Futuro – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões (SGFP), SA, da participação que esta detinha no capital social do Montepio Seguros SGPS, S.A., no montante de 1.500 milhares de euros.”

Associação Mutualista Montepio Geral

Esta compra de 0,76% por 1,5 milhões de euros avalia o Montepio Seguros em 197 milhões. Isto numa altura em que está em cima da mesa um aumento de capital no ramo segurador no valor de 150 milhões, a ser totalmente subscrito pela CEFC China Energy , que deverá passar a deter 60% dos seguros. Nestes termos, o negócio segurador da mutualista estaria avaliado em cerca de 250 milhões de euros.

Menos prejuízos, mas ainda no vermelho

O Montepio Seguros conseguiu reduzir os prejuízos, de acordo com as contas consolidadas da Associação Mutualista. O ramo segurador registou um desempenho negativo de 7,2 milhões de euros, “traduzindo uma recuperação de 15,1 milhões de euros, face a -22,3 milhões de euros obtidos em 2015”, explica a dona do Montepio.

Mas esta melhoria deve ser temporária. Tal como o Público (acesso condicionado) tinha avançado, o Montepio Seguros deverá fechar o exercício de 2017 com prejuízos de 20 milhões de euros, com esta deterioração das contas a pôr em risco a venda ao grupo chinês.

Ao ECO, a CEFC China Energy reforçou o interesse nesta compra, garantindo que “não há obstáculos” e que esta operação “está a seguir os procedimentos regulatórios e legais”. Isto depois de se ter avançado que as negociações estariam suspensas, já que a CEFC China Energy teria concentrado os seus esforços noutra oportunidade de investimento em Portugal: a Partex.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reforço da Mutualista avalia Montepio Seguros em 197 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião