Segurança Social: já há mais de três mil milhões de euros de dívida em condições de cobrança coerciva

  • ECO
  • 15 Março 2018

Dívida em condições de seguir para execução fiscal aumentou 1,75% em 2016. Foram recuperados mais de 644 milhões de euros, dos quais 248 milhões por via de cobrança coerciva.

O valor da dívida em condições de cobrança coerciva superou, em 2016, os três mil milhões de euros pela primeira vez, escreve o Correio da Manhã esta quinta-feira.

De acordo com um relatório do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social (IGFSS), a dívida em condições de seguir para execução fiscal — o que exclui nomeadamente prescrições, anulações e extinções de pagamento — aumentou 1,75% em 2016, avança ainda o diário.

Naquele ano, foram recuperados mais de 644 milhões de euros, dos quais 248 milhões por via de cobrança coerciva. Foram instauradas 489 mil penhoras relativas a valores em execução fiscal que ascendem a 6,2 mil milhões de euros.

Ainda de acordo com o jornal, o IGFSS conseguiu mais-valias na venda de imóveis no valor de 21,8 milhões de euros. Foram vendidos 47 imóveis por 27,4 milhões de euros — destes, dois foram alienados aos arrendatários por cerca de dois milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Segurança Social: já há mais de três mil milhões de euros de dívida em condições de cobrança coerciva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião