Já conhece a nova concorrente do LinkedIn? Chama-se Powerupp e é… portuguesa

  • Rita Frade
  • 22 Março 2018

O Facebook tem mais um aliado. Chama-se Powerupp e pretende "fazer concorrência ao LinkedIn".

Desenvolvida pela startup portuguesa uppOut, a Powerupp é a mais recente aliada do Facebook contra o LinkedIn. Trata-se de uma aplicação que, segundo um dos fundadores de ambas as empresas, Ricardo Paiágua, pretende, precisamente, “fazer concorrência ao LinkedIn” como uma rede social profissional.

Lançada esta segunda-feira, a Powerupp diferencia-se do LinkedIn pelo facto de não permitir uma “troca de likes ou endorsements skills“, refere o blogue da uppOut. O objetivo? Impedir que um utilizador recomende outro, numa competência em que afinal não é assim tão bom, só para retribuir o gesto do anterior.

O LinkedIn é a feira das vaidades“. Quem o diz é Ricardo Paiágua, acrescentando que “os perfis das pessoas estão banalizados porque todas são boas em tudo, endorsements para cá e para lá sem qualquer justificação“.

A Powerupp é uma aplicação, desenvolvida pela startup portuguesa uppOut, que pretende “fazer concorrência ao LinkedIn”.Powerupp

O algoritmo da Powerupp foi, assim, feito de forma a que qualquer utilizador possa recomendar um perfil, mas que impeça de se saber quem o fez, garantindo que as competências “e mais-valias de cada pessoa sejam realmente validadas pelo mercado e pela sua rede de contactos e colegas“.

Para celebrar o lançamento da Powerupp, a uppOut deslocou-se até Londres (onde vão estar até ao próximo domingo), sem a sanita que tanto sucesso faz no Web Summit. Desta vez, a empresa decidiu enviar dois colaboradores nus. Na realidade, com fatos que parecem que quem os está a usar está nu.

Ação de marketing de guerrilha, levada a cabo pela uppOut em Londres, para celebrar o lançamento da Powerupp.uppOut

A ideia é, precisamente, transmitir a ideia de que esta aplicação chega para “trazer a ‘verdade nua e crua’ das pessoas ao mercado de trabalho“, sem fugir à realidade, uma vez que não há a possibilidade de um utilizador ser recomendado por algo que, na realidade, não sabe fazer ou não é assim tão bom.

Até ao momento, a Powerupp conta já com cerca de quatro mil utilizadores (sobretudo estrangeiros), mas pretende chegar ao milhão, revela Ricardo Paiágua.

Como funciona?

Instalada a aplicação (disponível tanto para iOS, como para Android), a Powerupp pede para que o utilizador responda a duas perguntas (“qual é a sua profissão” e “qual o nome da empresa onde trabalha”) e para que escolha um “emoji”, que vai servir como imagem de capa da sua conta. A aplicação dá depois a possibilidade ao utilizador de ir logo para o “feed” ou terminar de editar o perfil.

Concluídos estes passos, é tempo de se escolher seis competências (três “soft” e três “hard”) e três valores e preencher o que falta do perfil, como a data de nascimento, o número de telemóvel ou a formação académica.

É importante referir que cada uma das competências será, gradualmente, validada pela rede de contactos, sendo que um feedback positivo garante uma subida no ranking das competências profissionais. Depois de se alcançar um determinado nível, o utilizador poderá acrescentar mais competências ao seu perfil.

O último passo a dar é convidar amigos, familiares, colegas, ex-colegas ou chefes a fazer parte da rede de contactos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já conhece a nova concorrente do LinkedIn? Chama-se Powerupp e é… portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião