Intermediários financeiros têm 15 dias para manifestar à IFD interesse em financiar PME

  • Lusa
  • 26 Março 2018

Os interessados que não manifestem o seu interesse poderão fazê-lo posteriormente, apesar de o prazo terminar dentro de 15 dias.

A Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), conhecida como banco de fomento, dá a partir desta segunda-feira 15 dias aos intermediários financeiros para manifestarem interesse em canalizar fundos europeus e cofinanciar empresas, segundo um aviso publicado, em Diário da República.

Bruxelas aprovou a criação e capitalização da IFD em outubro de 2014 e, em agosto do ano passado, alterou os estatutos do banco de fomento dando-lhe novos poderes para apoiar as pequenas e médias empresas (PME) nacionais a colmatar as insuficiências de financiamento do mercado.

A utilização destas dotações destina-se ao financiamento de subprojetos desenvolvidos pelas PME e que vão ser cofinanciados pelos intermediários financeiros – bancos, caixas económicas e a Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo e caixas de crédito agrícola mútuo – mediante a canalização dos fundos obtidos pelo banco do fomento, nomeadamente junto do Banco Europeu de Investimento (BEI).

“O presente aviso destina-se à abertura do período de manifestação de interesse”, explica a IFD no aviso hoje publicado em Diário da República, fixando o período inicial para os intermediários financeiros manifestarem interesse “em 15 dias após publicação” do aviso.

Mas, ressalva o aviso, “os interessados que não manifestem o seu interesse poderão fazê-lo posteriormente”, adiantando que o período subsequente de manifestação de interesse se mantém em aberto pelo prazo de quatro anos ou até comunicação em contrário pela IFD.

A IFD já recebeu a primeira tranche de 100 milhões de euros de um empréstimo de 250 milhões de euros do BEI para apoiar financiamento estrutural das empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Intermediários financeiros têm 15 dias para manifestar à IFD interesse em financiar PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião