Uber sai do sudeste asiático. Vende operação à rival Grab

  • ECO
  • 26 Março 2018

Uber está de saída do sudeste asiático, mas pretende manter-se nesse mercado através de uma participação minoritária na sua rival local, a Grab.

Apesar de estar de saída do sudeste asiático, a Uber está planear manter-se indiretamente nesse mercado. A gigante dos transportes está a vender a sua operação à rival local Grab, mas em troca receberá 27,5% dessa empresa.

O esquema já tinha sido usado pela companhia liderada por Dara Khosrowshahi no mercado chinês e, segundo os analistas citados pelo Financial Times (acesso pago), poderá repetir-se na Índia, onde a norte-americana está a concorrer com a Ola.

Nos casos dos mercados chinês e russo, a Uber acabou por vender as suas operações por uma participação minoritária, nos líderes nacionais. Já no que diz respeito à Índia, a gigante tem tentado mitigar a especulação de uma eventual venda. Khosrowshahi tem garantido que esse é “um dos mercados mais saudáveis da Uber em termos de crescimento” e que, portanto, é uma componente chave da companhia.

Apesar do falhanço na conquista pela primeira posição no mercado do sudeste asiático, a norte-americana está a considerar a sua estada nesse mercado um “sucesso financeiro”. De acordo com a BBC News, a transação poderá significar o aumento das tarifas para os clientes, nessa região.

Depois de um ano turbulento, a Uber tem regressado aos eixos sob a liderança de Khosrowshahi, que tem imposto uma restrita disciplina financeira responsável pelo recuo dos prejuízos da companhia de mil milhões de dólares (809,2 milhões de euros), no terceiro trimestre de 2017, para 741 milhões de dólares (599,6 milhões de euros), nos últimos três meses desse ano.

Já a Grab é o serviço deste tipo de transporte mais popular do sudeste asiático, com milhões de utilizadores em oito países.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber sai do sudeste asiático. Vende operação à rival Grab

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião