Catarina Martins: “Para Centeno brilhar os serviços públicos não podem ficar às escuras”

  • Lusa
  • 5 Abril 2018

"Consolidar à velocidade que está a ser feito, sem ter resolvido o problema da dívida pública, está a significar uma contração da despesa em setores fundamentais", critica a bloquista Catarina Martins

A dirigente do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu hoje, em entrevista ao Público e Rádio Renascença, que “para Centeno brilhar, os serviços públicos não podem ficar às escuras”.

Para a líder bloquista, em causa está a gestão do défice orçamental e da dívida pública. Como disse na entrevista aos jornalistas David Dinis e Eunice Lourenço, “O problema é quais são os caminhos que utilizamos para consolidar orçamentalmente o país. (…) Consolidar à velocidade que está a ser feito, sem ter resolvido o problema da dívida pública, está a significar uma contração da despesa em setores fundamentais (…)”.

Desta forma, apontou: “O Governo devia rever as suas metas de investimento na saúde e educação, como noutros serviços públicos. O PIB (produto interno bruto) está a crescer e o nosso investimento em setores essenciais é cada vez mais baixo. E é preciso ter cuidado, porque nós não podemos deixar que para Mário Centeno possa brilhar os serviços públicos fiquem às escuras”.

Catarina abordou na entrevista outros pontos, como a integração dos precários, defendendo a responsabilização das chefias que a estejam a minar, discordou da ideia de fazer depender os investimentos públicos de uma aprovação por dois terços dos deputados, porque “é dar poder de veto ao PSD”, criticou a falta de avanços na contratação coletiva e reafirmou que a sua “posição de princípio é que quem tem 60 anos e 40 de carreira contributiva não deve ter o corte do fator de sustentabilidade na sua pensão”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins: “Para Centeno brilhar os serviços públicos não podem ficar às escuras”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião