Desde 2012, pouco mais de mil aderiram a apoio para aceitar salário abaixo do subsídio

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 27 Abril 2018

Desde que foi lançada, em meados de 2012, e até 2017, a medida que incentiva a aceitação de empregos com salário inferior ao subsídio de desemprego abrangeu pouco mais de mil beneficiários.

Criada no Governo de Passos Coelho, a medida que incentiva os desempregados a aceitar salários inferiores ao valor do subsídio abrangeu, entre meados de 2012 e 2017, pouco mais de mil pessoas e implicou quase dois milhões de euros, indicou ao ECO fonte oficial do ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Em causa está a Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego.

“Desde 2012, quando foi criada a medida, 1.173 beneficiários receberam este incentivo, o que corresponde a um montante global de 1.978.748,82€”, indica o ministério de Vieira da Silva. No mesmo período, terminaram 819 prestações, afirma ainda o ministério.

Balanço da Medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego

Em causa está um apoio destinado a desempregados que aceitem um emprego cuja retribuição bruta seja inferior ao valor do subsídio que recebem. A medida chegou ao terreno em agosto de 2012, mas sofreu algumas alterações em 2015, aumentando a abrangência. Prevê o pagamento de 50% da prestação de desemprego nos primeiros seis meses, até 500 euros, e de 25% (até 250 euros) nos seis meses seguintes. O apoio está limitado a 12 meses, mas também não pode ultrapassar a duração da prestação de desemprego. Se o contrato for inferior a 12 meses, os períodos de apoio são reduzidos proporcionalmente.

Entre as várias condições para ter direito ao incentivo, o desempregado tem que ter pela frente um período mínimo de três meses de subsídio (nas regras mais recentes) e o contrato também tem de ser superior a três meses.

Inicialmente a medida estava desenhada para produzir efeitos durante o programa de ajustamento, mas acabou por estender-se no tempo. O ECO quis saber se o Executivo tinha planos específicos para o futuro deste incentivo, mas não obteve resposta. Além desta medida, definida em portaria, a legislação que estabelece as regras das prestações de desemprego prevê um subsídio de desemprego parcial, que se destina a quem já trabalhava, ou comece a trabalhar, a tempo parcial ou de forma independente, desde que o salário ou o rendimento relevante seja mais baixo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desde 2012, pouco mais de mil aderiram a apoio para aceitar salário abaixo do subsídio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião