Portugal pode perder fundos por duas vias no próximo quadro comunitário

Portugal pode perder fundos comunitários pelos critérios de atribuição, mas também pelo 'mix' dos fundos que vão compor o envelope financeiro. O alerta é do eurodeputado José Manuel Fernandes.

Portugal pode perder fundos no próximo quadro comunitário de apoio por duas vias: o conjunto de critérios que vierem a ser definidos para a atribuição dos fundos, mas também pelo ‘mix’ de fundo que vier a ser proposto pela Comissão Europeia para compor o envelope financeiro português.

Para já, a Comissão Europeia revelou a sua proposta para as perspetivas financeiras de 2021 a 2027um orçamento de 1,27 biliões de euros a preços correntes — que assume novas prioridades e que dita, à partida um corte de 5% na Política Agrícola Comum e de 7% na Política de Coesão. No próximo dia 29, o executivo comunitário vai apresentar a sua proposta relativa aos critérios de distribuição dos fundos. Luís Marques Mendes revelou que Portugal poderá perder entre 10% a 15% dos fundos por causa da alteração nas regras de atribuição dos apoios comunitários.

Ou seja, o PIB per capita passará a pesar apenas 75% no cálculo dos fundos a atribuir a cada país, sendo os restantes 25% ponderados com base na política de acolhimento de migrantes de cada país, o nível de desemprego e as alterações climáticas, especificou o antigo líder do PSD no seu espaço de comentário semanal da SIC.

Mas estas contas estão longe de estar fechadas. Desde logo porque todo o processo depende de uma intensa negociação entre os vários Estados membros e a Comissão, e a decisão final exige unanimidade do Conselho Europeu e uma maioria do Parlamento Europeu. Mas além disso, a Comissão ainda está a afinar a proposta e, neste momento, sabe o ECO, o critério do peso do PIB per capita já estará em 80%. E pode ainda vir a sofrer novas alterações.

Mas, mesmo que os critérios não sofressem qualquer alteração — um cenário que parece pouco provável — Portugal arrisca-se a perder fundos por outra via: a composição de fundos que vier a ser definida para o próximo quadro comunitário.

“Portugal pode perder dinheiro com a distribuição dos fundos”, alertou José Manuel Fernandes. Em declarações ao ECO, o eurodeputado nomeado pelo Partido Popular Europeu (PPE), o único português à mesa das negociações do novo quadro financeiro plurianual (2021-2027), frisou que “não basta garantir a dimensão do envelope”.

Cada quadro comunitário é composto por cinco fundos: Fundo Social Europeu (FSE), Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) — que financia o segundo pilar da Política Agrícola Comum, ou seja, o desenvolvimento rural –, Fundo Europeu para os Assuntos Marítimos e as Pescas (FEAMP) e o Fundo de Coesão.

Só os países mais pobres, cujo PIB é inferior à média europeia, podem aceder a este fundo (Portugal é elegível). E se a Comissão optar por fazer um corte muito significativo deste fundo, Portugal pode ser penalizado.

Com a proposta que está atualmente sobre a mesa — e sem ter em conta qualquer alteração nas regras de atribuição dos fundos — Portugal poderá perder 1.500 milhões de euros face ao envelope que recebeu para 2014-2020 (a preços de 2014). No atual quadro, Portugal recebeu 22,15 mil milhões de euros da Coesão — dos quais três mil milhões são financiados pelo Fundo de Coesão –, quatro mil milhões do FEADER e mais quatro mil milhões de euros para pagamentos diretos aos agricultores (o primeiro pilar da PAC e que não é incluído no Portugal 2020) e ainda 392 milhões de euros para o Mar e para as pescas.

Se o corte do Fundo de Coesão for superior ao dos outros fundos significa que há um desvirtuar da política europeia.

José Manuel Fernandes

Eurodeputado PSD

“Se o corte do Fundo de Coesão for superior ao dos outros fundos significa que há um desvirtuar da política europeia”, já que o objetivo da coesão é ajudar a colmatar as assimetrias na União Europeia, sublinha José Manuel Fernandes. “Os países da coesão, os mais pobres, não podem ter os cortes maiores”, acrescentou. O eurodeputado lembra que até pode haver um aumento do FEDER e a manutenção do FSE, mas se houver um corte muito grande do Fundo de Coesão Portugal vai acabar por perder.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal pode perder fundos por duas vias no próximo quadro comunitário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião