Setor público isento de multas na proteção de dados? “No final, reverte tudo para o Estado”, diz Maria Manuel Leitão Marques

Maria Manuel Leitão Marques, ministra com a pasta da Modernização Administrativa, lembrou que as multas que forem pagas pelas administrações públicas por causa do RGPD revertem para o Estado.

A ministra Maria Manuel Leitão Marques, que tem a pasta da Modernização Administrativa, considera que não vale a pena haver uma “conflitualidade” em relação à isenção de coimas para o Estado, por três anos, em caso de infração ao Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGPD). Até porque, “no final de contas, até revertem para o Orçamento do Estado”, observou a governante.

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa foi ouvida na Assembleia da República (AR) esta quarta-feira. O tema da proteção de dados foi abordado por alguns deputados, numa altura em que faltam pouco mais de duas semanas para a entrada em vigor da nova legislação para esta matéria, que prevê coimas até 20 milhões de euros ou 4% do volume de negócios anual de uma empresa.

Reconhecendo que este é um “modelo totalmente diferente” do que se encontra, atualmente, em vigor, a ministra sublinhou que mesmo com a isenção, “o Estado também tem de se preparar como os outros”. Por isso, de qualquer forma, as administrações públicas “vão ter de o cumprir a partir de 25 de maio”.

“CNPD não é deus na Terra”

A presidente da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), Filipa Calvão, disse recentemente, numa entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF, que “não há razão” para o Estado estar isento das coimas que as empresas, sejam grandes ou pequenas, poderão ter de enfrentar se não forem capazes de provar que cumprem a nova legislação.

No entanto, a ministra, na audição parlamentar desta quarta-feira, avançou que está prevista uma diferenciação do nível das coimas para as PME face às grandes empresas. Contrariando a CNPD, Maria Manuel Leitão Marques garantiu que “o regulamento prevê situações mais favoráveis” às empresas de menores dimensões, indicando que a CNPD “não é deus na Terra”.

Para justificar o benefício dado às PME portuguesas, a ministra deu o exemplo de um restaurante que guarda as moradas dos clientes que pedem uma piza ao domicílio. “O que um pequeno restaurante pode fazer com esses dados é muito diferente do que uma grande empresa pode fazer com os dados que recebe de milhões de cidadãos”, indicou. De qualquer forma, disse que “o Parlamento será soberano” para decidir o que fazer em relação a este ponto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor público isento de multas na proteção de dados? “No final, reverte tudo para o Estado”, diz Maria Manuel Leitão Marques

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião